Vergonha em Nova Venécia: mães vão ao MP para tentar garantir educação especial para os filhos

535

222Mães, Pais e amigos das crianças e adolescentes Portadores de Necessidades Especiais estão na luta por todos os seus direitos em Nova Venécia. A administração municipal, alegando corte de gastos, demitiu os profissionais que cuidam das crianças com necessidades especiais. Uma atitude vergonhosa, já que o corte de gastos está sendo feito no sacrifício de crianças deficientes, excluídas da escola pela prefeitura municipal. As mães não querem só acesso à escola, mas também a permanência e qualidade.

Fizemos a primeira reunião de pais e amigos das crianças com necessidades especiais da educação de Nova Venécia. A semente foi plantada e foi um sucesso. Juntos somos mais fortes. Não vamos aceitar que tirem dos nossos filhos o que já havia sido conquistado. Lutaremos arduamente pelos direitos deles e seremos as vozes dos que não sabem se defender”, disse Sabrina Santana, mãe do garoto Enzo.

A advogada Lélia Tavares, mãe do garoto Ramon, de 13 anos, portador de paralisia cerebral, faz um desabafo.

Na rede municipal desde o ano de 2007 com professor de apoio/bidocente capacitado para seu auxílio pedagógico. Só quem é mãe de uma criança especial sabe a importância e a luta de cada progresso e a dor de cada regresso. Ramon identifica palavras, números e começa a digitar sílabas. Não fala e o meu maior sonho e através da escrita saber o que ele quer comer, fazer ou está sentindo, para aliviar seu choro quando não consegue se fazer entender.

Até 2013 tínhamos uma equipe de Educação Especial e Sala de Recursos com professor capacitado com carga horária de 40 horas. Ramon aprendia a comunicação alternativa através de gravuras no computador que traduziam o que queria. Tudo nos foi tirado! Cursos de capacitações eram frequentes até em outros Estados.

Em 2014 as bidocentes entraram e continuaram sem qualquer capacitação, sem saber como auxiliá-los pedagogicamente. Agora tiram dos nossos filhos a bidocente, o apoio pedagógico, a oportunidade de evoluir e aprender. Eles merecem, eles são capazes. Querem colocar apenas um cuidador apenas para banheiro e alimentação. Ora não vão para a escola para isso. São bem cuidados em casa. Vão para aprender, para socializar“, diz Lélia

Primeira reunião de pais e amigos das crianças com necessidades especiais da educação de Nova Venécia. A favor do progresso e contra o retrocesso.

A ideia agora é criar uma associação para lutar pelos direitos das crianças. “Em breve, nossa Associação: AME! – Associação de Mães Especiais. Eles lutam para viver, nós vivemos para lutar! Nós nunca desistiremos da dignidade e qualidade de vida deles. Juntas podemos mais, juntas somos fortaleza!“, destaca Lélia.

O que as mães querem é que sejam obedecidos os objetivos da República Federativa do Brasil, consagrados no artigo 3° da Constituição: construir uma sociedade livre, justa e solidária, promovendo o bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

“Pedimos a todos que abracem essa causa, afinal ela não é só nossa, pais e mães especiais, mas de todo cidadão que sonha e luta por uma sociedade livre de preconceito e oportunidade igual para todos“, finaliza Sabrina. Oi vou te mandar agora da Lelia Tavares que é mãe e advogada…