Vereadores querem soluções para os problemas do bairro Vila Vicente, mas a prefeitura não “reage”

395

7878O bairro Vila Vicente em Barra de São Francisco está abandonado pela atual administração a exatamente dois anos e cinco meses e apesar das promessas feitas por parte do prefeito, nada foi feito para resolver os problemas existentes, inclusive, o vereador Admilson Brum havia mostrado através de fotos no final do ano passado o descaso com o bairro por parte da prefeitura.

Na sessão de segunda-feira, 01/06/2015, os vereadores Valézio Armani e Paulinho do Hospital, voltaram a pleitear obras e serviços no bairro, incluindo na Rua Carlos Valli, uma das mais importantes vias de interligação dos bairros Irmãos Fernandes com a Vila Vicente. De acordo com os moradores da referida rua, falta calçamento, drenagem, limpeza em geral e melhorias no sistema de iluminação pública.

O vereador Valézio Armani, enfatizou que vem sendo cobrado por parte de alguns moradores, um empenho maior dos demais parlamentares, para que sensibilize o prefeito a realizar as tão sonhadas melhorias. Argumentou que os pedidos já foram feitos através de indicações. Este site vem insistentemente cobrando soluções para os moradores do bairro, mas o atual administra tem se mostrado “arredio”, ou seja, fugindo dos problemas.

O vereador Zé Valdeci (PT), entrou com um pedido de informações junto a prefeitura, no sentido de obter informações sobre a liberação ao tráfego de veículos, na rua Alacy Costa, via esta que se encontra com as obras paralisadas e a população anda indignada com a prefeitura, uma vez que a mesma passa todo tipo de veículo e provoca muita poeira, além de buracos abertos e muito mosquito.

O vereador Zé Valdeci teve a unanimidade de votos dos seus pares, quando apresentou ao plenário, o pedido de informações que se baseia em dois pontos principais: 1º que seja informado o motivo da liberação do trânsito de veículos automotores, sem a devida fiscalização da obra e 2º que também seja informado o motivo pelo qual a empreiteira paralisou a execução dos serviços na referida via. As cobranças existem, mas a prefeitura não “reage”.