Vereador entrega cargo em comissão, pede sua retirada do bloco da oposição e anuncia sua futura renúncia ao mandato em Mantena

1032

 

 Vereador Rodrigo Curty (e) se sentiu traído e anunciou seu afastamento do bloco de oposição reiterando que pretende renunciar ao mandato de vereador em Mantena

Vereador Rodrigo Curty (e) se sentiu traído e anunciou seu afastamento do bloco de oposição reiterando que pretende renunciar ao mandato de vereador em Mantena

Em reunião da Câmara Municipal nesta terça feira, (30/06/15), quando entrou em pauta pela segunda vez a votação do parecer as comissões sobre o Projeto de Lei 037/2015, já demonstrando que alguma divergência estava acontecendo entre a oposição, o vereador Anderson Branca de Neve fez um apelo ao Presidente da Mesa propondo que o assunto voltasse a ser discutido pelos vereadores no Plenarinho alegando que o Projeto era polêmico e que precisa de um consenso entre os colegas.

Entrando no debate, o Vereador Rodrigo Curty sugeriu então que o debate não fosse para o Plenarinho, mas, que acontecesse ao vivo sem sair do Plenário escutando o parecer do assessor e o ponto de vista de cada vereador.

Na Tribuna da Câmara, Rodrigo Curty explicou que o Projeto de Lei 037/2015, que pede a abertura de um crédito suplementar por parte do Poder Executivo foi analisado pela Comissão de Finanças, Orçamento e Tomadas de Contas, da qual ele faz parte, que deu parecer de rejeição alegando que o Contrato do imóvel onde se encontra a Sede do Consórcio e o rateio dos Municípios que o compõem, além do depoimento verbal do Secretário Executivo, Jupiaci Ramalho, na comissão, considerando que o contrato de locação do imóvel se encontra em nome de um sobrinho do prefeito, que caracteriza segundo ele a imoralidade do feito, que o fato é uma manobra fiscal e que não atinge os interesses públicos requerendo que os vereadores rejeitassem a matéria por sua ilegalidade, relatando que a matéria teve parecer contrario de duas comissões que segundo ele não fazem oposição a Mantena, mas, oposição por Mantena.

Quando conclamou o fato, citando o parecer contrário de duas comissões, não sabia até então o Vereador Rodrigo Curty como que o colega da bancada de oposição, Vereador Anderson Branca de Neve, iria se manifestar e foi pego de surpresa.

Com a palavra o Vereador Anderson Branca de Neve, Presidente da Comissão de Legislação e Justiça e Redação Final disse que deu o parecer contrário a matéria, porém, depois da reunião no Plenarinho voltou com outro posicionamento.

“Eu dei o parecer contrário a matéria, mas, quero dizer ao público que reconsidero o meu parecer e mudo ele de público. Eu não posso, não vou jamais a me curvar a picuinhas e a problemas pessoais, desde que aqui cheguei estou tentando por todos os caminhos traçar um meio de diálogo em relação a esta matéria, posso dizer de carteirinha e de cabeça erguida sou o único vereador nesta Casa que nunca titubeou em relação a situação e ao prefeito, sou oposição desde o primeiro dia e me fiz vereador, mas, se há alguma coisa nesta vida que eu vou ter sempre é bom senso, é postura, respeito por mim mesmo e pelos meus ideais.”.

“Em relação ao Projeto de Lei em apreço, não existe nenhuma irregularidade, existe sim, algo que eu não aceitei e não aceito e tentei a todo tempo sentar com os vereadores e traçar uma linha de raciocínio que é o Projeto não está ilegal, o Projeto não esta errado o que esta errado é o CIMLESTE esta locado no prédio do sobrinho do prefeito”.

“O crime de nepotismo não interfere na Lei, não existe nesta Lei nenhuma fala dizendo que este dinheiro é para pagar aquele aluguel, não existe, isso é dedução nossa, mas, eu também entendo assim, eu não posso deixar a emoção, a razão, e não posso deixar os problemas pessoais tirar de mim o espírito da vereança e o espirito de seriedade, compromisso, lealdade, assumido com o povo no dia que me fizeram vereador e que tomei posse”, explicou. a de cada vereador.

Retornando a Tribuna da Câmara, o Vereador Rodrigo Curty falando sobre o mérito do Projeto, disse “Eu não estou aqui para perder o meu tempo, eu estive no escritório do vereador Branca de Neve, perguntei a ele como Presidente da Comissão, Branca de Neve, como nós deveríamos proceder, perguntei o que ele achava da tramitação da matéria, e ele me facultou a tramitação da matéria como nós entendíamos assinando o parecer pela rejeição e gostaria de dizer ao Vereador Branca de Neve que nós temos o direito, inclusive, de não participar de uma reunião”.

“Fui ao seu escritório, nós comungamos do mesmo parecer, e gostaria que nos facultasse também o direito de não participar de uma reunião porque no meu entendimento é matéria vencida, já dei parecer na matéria assinando pela rejeição, eu não vou reunir depois de dar parecer em uma comissão”.

“Outra coisa, Excelência quando precisou de ir ao Ministério Público para pleitear sobre as Kombi de aluno, não precisou da assinatura de todos os colegas, precisou apenas da sua e da minha, quando pleiteou a derrubada da Mesa Diretora assinou sozinho e encaminhou ao Ministério Público, porque a utopia de imaginar que a bancada de situação vai assinar o requerimento pedindo a dissolução de um contrato de locação, é utopia, pedir uma reunião no Plenarinho solicitando que a bancada de situação assine um requerimento de denuncia ao Ministério Público”.

“Posso imaginar que o vereador tivesse delirando no momento que imaginou isso. Vereador, seu companheiro até a presente data para assinar diversas denuncias ao Ministério Público quanto necessárias, v. excelência extrapolou reputando o companheirismo de alguns colegas, repense o seu posicionamento da mesma forma como repensou nesta noite, coloca a cabeça no travesseiro e vai repensar sobre o companheirismo político porque até aqui nós temos sido companheiro, nunca neguei o seu pedido de uma assinatura para qualquer denuncia que seja acreditando naquilo que nós dizíamos”.

“Agora vir a público dizer Que é o único vereador com postura, que é o único vereador que se manteve no posicionamento, refutando todos os demais que fazem oposição, me leva neste momento a renunciar ao cargo de Presidente da Comissão de Finanças, Orçamento e Tomada de Contas, abro mão do cargo Sr. Presidente, estou pedindo a minha retirada do bloco de oposição e gostaria de dizer ao Prefeito Municipal, que quando aqui tiver uma matéria polêmica e o vereador for favorável votarei contra como protesto porque o que o Vereador fez conosco não foi digno, nós tínhamos o direito de não nos reunir e ser respeitado, não estou aqui fazendo um rompimento politico ou pessoal, mas alertando para que repense porque reino dividido não pode subsistir”.

“Não poderia deixar de usar a Tribuna em protesto pelo com foi feito conosco vereadores da ex-bancada de oposição, porque eu não faço mais parte, estou aqui para votar tranquilamente o que for de interesse do Prefeito em protesto fez conosco nesta noite, sobre a matéria voto contrário e com convicção”.

“O Vereador Gilberto subiu nesta Tribuna e disse que iria votar com o prefeito, oba oba com o prefeito, não podemos brincar de fazer política, ou a gente é situação ou oposição, e digo mais, começo hoje a programar um dia a renunciar para renunciar a este mandato, estou hoje dizendo de público que vou programar uma data, vou me assentar e vou me programar e vou renunciar a este mandato, porque não dá para continuar assentado em um lugar desses em que se brinca, faz joguinho de ping pong, não dá para continuar neste lugar, vocês saberão quando e toda a cidade e as pessoas que nos escutam saberão o motivo pelo qual, não dá para comungar mais, não dá para continuar assentado aqui porque até aqueles que consideramos companheiros nos refutam e diz ser ele o único que fez oposição, se não precisa de companheiro nesta Casa que siga só, programo a partir de hoje, com minha família uma data para deixar o parlamento tendo em vista ter ele um parlamento que atenda os interesses da sociedade, apenas única e exclusivamente os interesses próprios e pessoais”.

“Você que pensa em se candidatar a vereador, repense, você sozinho não pode mudar a cidade inteira e o conjunto não deseja isso, hoje eu saio daqui completamente entristecido, aborrecido, decepcionado com a vida pública porque esperava isso de muitas pessoas aqui, mas, não do Vereador Branca de Neve jamais imaginava ouvir tais palavras”, agradecendo.

Ao final o parecer de rejeição ao Projeto de Lei 037/2015 foi rejeitado por sete votos a três, sendo que o mérito do Projeto foi aprovado com sete votos favoráveis contra três contra.