Vereador denuncia diversas “máfias” atuando dentro da prefeitura de Barra de São Francisco

862

21O vereador Valézio Armani (PSD) que comumente solicita pedido de informações ao Executivo Municipal, desta vez, ao ocupar a tribuna na sessão desta segunda-feira dia 09, teceu duras críticas a atual administração municipal e denunciando a existência de diversas “máfias” dentro da Prefeitura Municipal.

Valézio iniciou sua fala criticando a falta de ação em uma escola localizada no Córrego do Engenho, onde ele presenciou a falta de comprometimento com os alunos e professores, que solicitaram a ele, providências para solucionar o problema do único bebedouro que se encontra quebrado por mais de um ano.

O parlamentar indignado questionou se seria falta de recursos da Educação, afirmando que o descaso com o setor não procede, visto que a Câmara Municipal aprovou um orçamento de R$ 15 milhões para a Educação do município e que aquilo era uma vergonha. “Os alunos e professores são obrigados a levar de casa, água gelada porque o único bebedouro da unidade escolar, quebrou no ano passado e até agora a Secretaria Municipal de Educação não consertou”, criticou ele, qualificando a situação como vergonhosa.

Ainda em sua fala, Valézio Armani cumprimentou os Promotores de Justiça que estão fazendo o seu papel, enumerando que hoje, dentro da prefeitura de Barra de São Francisco, existem várias “máfias”. “Tem uma quadrilha dentro da Prefeitura e tem a “máfia da areia” onde são usados equipamentos e funcionários para extrair areia para se vender aos particulares. Tem a “máfia da educação” onde o atual Secretário Municipal de Educação não realiza os eventos, mas as notas frias aparecem para pagamento das despesas, não viaja, mas recebe diárias. Tem a “máfia da licitação”, onde constantemente um único laboratório de Minas Gerais sempre sai vencedor nas licitações. Tem a “máfia das peças”, quando se sabe que equipamentos e veículos estão sendo sucateados, depenados para venda de peças para terceiros”, encerrou.

Fonte: Assessoria de Comunicação CMBSF