Servidores fazem campanha pelo “fica” e Enivaldo coloca futuro nas mãos da população

524

Os servidores do Poder Legislativo lançaram esta semana uma campanha visando a sensibilizar o deputado estadual Enivaldo dos Anjos (PSD) a não se candidatar a prefeito e permanecer em seu mandato na Assembleia Legislativa. Em resposta, o parlamentar fez uma declaração pública de que não vai decidir sozinho a situação e que, onde estará a partir de janeiro, é uma decisão que caberá à população de Barra de São Francisco.

“Primeiro, fui procurado pelos representantes dos servidores no sindicato da categoria e, para completar, recebi centenas de mensagem com pedidos para ficar na Assembleia. Agora, eles começaram a fazer essa campanha através de outdoor e as redes sociais. Ao mesmo tempo, tenho recebido quase que como clamor o pedido da população de Barra de São Francisco para ser prefeito da cidade. Então, ninguém melhor do que o povo de minha cidade para decidir o que é melhor”, disse Enivaldo.

O deputado estadual acentuou que esse é um dilema que qualquer homem público adoraria viver. “O pior é quando a sociedade não aguenta mais ver a sua cara e você sai porque querem que você saia, e o sujeito, nessa situação, sai para morrer no ostracismo. O que está acontecendo comigo, nessa altura da vida, aos 70 anos de idade, quase 50 anos deles dedicados à vida pública, é a maior recompensa que um homem público pode receber”, reagiu Enivaldo dos Anjos.

O presidente do Sindilegis, Gildo Gomes, justificou a campanha dos servidores: “Existem pessoas que, quando assumem o poder, mudam de caráter. O deputado, Enivaldo, não. Foi e está sendo um grande aliado dos servidores. Assumiu nossas bandeiras. Não temos mais pendências em nossa pauta com a Mesa Diretora. Ele criou o Fórum dos Servidores, nos deu espaço e voz. O Brasil hoje copia o Fórum que ele criou. Sei que ele está sendo pressionado para ser prefeito, mas nós imploramos: Barra de São Francisco, entenda-nos. Fica, deputado”.

Enivaldo sempre mostra-se sensibilizado com o movimento, mas considera importante ouvir suas bases: “Como a legislação me permite ser candidato e, se não ganhar, continuar meu mandato até 2022, então vou submeter essa decisão ao povo de Barra de São Francisco. Não vou decidir o que é melhor para mim, minha vida é pública. Além disso, para não ficar na Assembleia, primeiro eu tenho que ser eleito e isso vai passar pelos eleitores e preciso respeitar o direito que outros também têm de concorrer”.

O deputado salientou que o que fez e faz pelos servidores da Assembleia é coerente com sua história de vida. “Quando fui prefeito, tínhamos também nosso fórum. Eu me reunia com os servidores a cada dois meses no ginásio de esportes. Na Assembleia eu simplesmente continuei fazendo o que acredito que é o certo”.