Sem coveiro, moradores abrem cova em cemitério de Linhares

620

1_1__3_-4107416Imagina perder um parente e não ter um coveiro no cemitério para abrir a cova. Uma família de Linhares, Norte do Estado, afirma que isso aconteceu no último sábado (02), no distrito de Bebedouro.

Para enterrar o corpo do esposo, a doméstica Lindinalva Nunes da Silva, teve de contar com a ajuda de amigos. “O rapaz abriu o portão e disse que não tinha coveiro e que era pra gente abrir a cova. Uns rapazes que moram em Bebedouro foram lá com uma cavadeira e enxadas e abriram. Isso é um absurdo. Um constrangimento!”, disse.

Segundo os moradores, o único cemitério do distrito fica fechado e está sem coveiro há pelo menos 15 dias. Os sinais de abandono, como mato alto e restos de materiais que eram usados na construção de túmulos, estão acumulados no local.

Enquanto limpava o túmulo do filho, o aposentado Jeremias Duarte Borges, contou que uma moradora é quem está responsável pela chave do cemitério. “A chave fica com uma moradora porque não tem coveiro. Ela vem de manhã, abre o portão, e eu fico trabalhando. No sábado, quem veio abrir a cova foi o trator de uma empresa. Os próprios moradores tem que fazer a cova”, contou.

Por nota, a prefeitura de Linhares informou que o cemitério de Bebedouro conta com coveiros para atender a demanda da região. Disse ainda que nos episódios registrados neste fim de semana, o profissional solicitou a utilização de uma máquina (tipo retroescavadeira) para realizar a perfuração, pois a escavação manual estava impossível devido à compactação do solo em virtude da seca. Em relação à informação de que familiares teriam escavado qualquer área, o município afirma que desconhece o fato e ressalta que um profissional do cemitério acompanhou toda a ação.