Rios secando e o desperdício aumentando, falta de água em Mantena pode ser uma realidade a curto prazo

612

70A situação da oferta de água bruta em Mantena e região vem se agravando a cada dia com a forte estiagem que há muitos anos não se registrava. Aliás, não apenas a oferta de água tem sido o maior problema, mas também o consumo aliado ao desperdício que vem crescendo com cidadãos não reconhecendo que a situação é para “Economizar” e não “Desperdiçar”.

Quem quiser comprovar o que estamos informando já por alguns meses basta observar a vazão do córrego São Francisco que corta a cidade, a régua de medição instalada pelo SAAE na ponte situada à rua Antônio Coelho de Souza mostra o nível muito abaixo da vazão normal, aliás, o próprio leito do rio já sofreu um estreitamento significativo com apenas um “filete” de água.

Mesmo com as campanhas de “Não ao Desperdício”, realizada pelo SAAE na cidade nos meios de comunicação e também com panfletagem, muitos cidadãos não colaboram e continuam a varrer as calçadas com água tratada, lavando carros, molhando jardins em pleno sol forte, molhando as ruas para apagar a poeira entre outras formas de desperdício.

A situação está se complicando e o mais grave é que não existe previsão de chuva para aliviar a demanda, ao contrário, em média a cidade vem sendo atingida por um forte calor, na casa dos 39 a 40 graus em média. O que temos visto também além do desperdício, é o surgimento das queimadas.

Áreas que deveriam ser preservadas e protegidas por conter matas fechadas, que protegem as nascentes, estão sendo atingidas e devastadas pelo fogo. Os crimes ambientais estão por todos os lados, o próprio rio que citamos, (que é o nosso manancial de abastecimento), vem sofrendo com os constantes lançamentos de lixo em seu leito. Lamentavelmente era um cenário que não gostaríamos de ver, mas está acontecendo.

Fizemos contato com a equipe que coordena o tratamento de água do SAAE, (empresa que abastece a cidade), e obtivemos a informação de que a situação está se agravando a cada dia, se não chover consideravelmente nos próximos dias, a falta de água bruta será uma realidade, mesmo com todos os investimentos e esforços que estão sendo feitos pela autarquia para superar esta forte estiagem, as ações serão ineficientes pois com o consumo alto e o desperdício, aliados a falta de água, torna tudo mais complicado.

Para se ter uma idéia, no mês de julho deste ano, a ETA (Estação de Tratamento de Água), recebia em seu sistema de tratamento 103 litros por segundo, a situação foi se agravando e na quinta-feira dia 24 de setembro, a vazão chegou a 85 litros por segundo, no entanto a demanda está crescendo, com a estação do inverno acabando e o calor forte assolando a cidade, o consumo de água tratada subiu de 6 milhões para 7 milhões em média por dia, durante esta semana.

Com estes números, a Estação vem trabalhando a pleno vapor, ou seja, 24 horas. E a situação é mais complicada ainda no interior do município, no distrito de Limeira a situação está chegando ao ponto crítico com a vazão de água caindo de 6,5 litros por segundo para a metade, isto é, 3 litros por segundo e ainda secando.

Lembrando que tanto em Mantena como nos distritos, a oferta de água bruta ainda é disputada por proprietários rurais, que nesta época do ano utilizam sobremaneira do sistema de irrigação, tirando assim muitos metros cúbicos de água dos leitos dos rios que são utilizados para abastecer a população.

Em resumo, se não houver uma consciência e um compromisso da população em economizar água, isto é, NÃO DESPERDIÇAR, a situação que já é crítica pode piorar ainda mais.

71 72