Racionamento de água muda a vida de 263 mil pessoas no Espirito Santo

875

secaApesar da chuva que atingiu algumas cidades nos últimos dias, nada mudou a situação de alguns municípios que convivem com a seca. A falta de água tem mudado tem transformado a vida da população. Dos 31 municípios do Espírito Santo que estão com situação delicada no abastecimento de água, 15 já precisam enfrentar o racionamento, deixando cerca de 263 mil pessoas prejudicadas.

De acordo com a lista da Cesan, Vila Pavão, Ecoporanga, São Gabriel da Palha, Conceição da Barra, Pancas, São Roque do Canaã, Barra de São Francisco, Vila Valério e Cidade Nova da Serra, na Serra, enfrentam o problema. Já pelo SAAE, Aracruz, Ibiraçu, Jaguaré, Governador Lindenberg, Marilândia e Rio Bananal.

No interior de algumas cidades, muitas pessoas também têm problemas com o racionamento, como no distrito de Imurama, em Ecoporanga, que realiza o racionamento, e o distrito de Paulista, em Barra de São Francisco, que, hoje, depende apenas de poços artesianos.

Em algumas cidades, a situação é extremamente crítica, sendo possível manter o abastecimento humano por período inferior a 30 dias, como em São Roque do Canaã. Na cidade, a captação já não é possível, o abastecimento é feito por caminhões-pipa e por poços artesianos, tendo água no município um dia sim e três não.

O comerciante Emerson Ama de Salles inaugurou a padaria em abril, período em que o município já estava passando por um momento difícil. De abril até o momento, ele afirma que a situação só piora. “Antes o carro-pipa abastecia a padaria e o restaurante, mas cortaram para o comércio. O jeito é pegar cerca de 2 mil litros de água por dia nos poços artesianos de amigos. Preciso contar com a camaradagem deles”, comenta.

A maioria dos municípios afetados pelo racionamento ficam no Noroeste e no Norte do Estado. Outro município que está com grandes problemas é Marilândia cerca de 12 mil pessoas estão sendo atingidas. As casas recebem água um dia sim e outro não.

Todo o abastecimento está sendo feito por cinco caminhões-pipa, que buscam água no interior para abastecer a cidade. No entanto, segundo o diretor do SAAE, Wagner Lotencini, os recursos estão se acabando e, caso não chova, não existe mais nenhum plano para abastecer Marilândia.

“Pegamos água de propriedades rurais, mas a água também está acabando”, finaliza.

Em Aracruz, houve granizo e vento que causou estragos na cidade, mas a chuva não chegou a cair. Na cidade, abastecida pelo SAAE, segundo o secretário de comunicação da Prefeitura, Carlos Conti, o racionamento acontece um dia sim e um dia não, mas, a partir de amanhã, a água será distribuída um dia sim e três não.

“Vamos lacrar as bombas dos agricultores, chegamos em um nível lastimável de escassez, já estamos abastecendo alguns locais com caminhões-pipa. Estamos elaborando até um decreto para multar quem faz o uso irracional de água, acredito que cerca de 80 mil pessoas estão sendo diretamente afetadas pelo racionamento”, afirma.

Cesan

Nos municípios atendidos pela Cesan, a diretora de Operação Sandra Sily revela que há um trabalho para tentar amenizar a situação. “Os mesmos municípios permanecem em racionamento, porém em situação mais favorável. A manutenção do racionamento ocorre para que haja uma recomposição da vazão do manancial.

O tempo de racionamento é determinado para que cause o menor transtorno possível no dia a dia dos moradores. Neste momento de crise hídrica, é extremamente necessária a preservação da água domiciliar, por meio das caixas d’água que, abastecidas, dão autonomia ao usuário de ter 24 horas de abastecimento em suas casas”, afirma.

Situação dos municípios

Municípios atendidos pela Cesan que estão em racionamento e pessoas afetadas

Vila Pavão

População atingida: 3.150 mil pessoas.

Ecoporanga e Distrito de Imburama (Ecoporanga)

População atingida: 15 mil pessoas.

São Gabriel da Palha

População atingida: 22 mil pessoas.

Conceição da Barra

População atingida: 10 mil pessoas.

Pancas

População atingida: 7,8 mil pessoas.

Paulista (Distrito de Barra de São Francisco)

População atingida: 55 mil (com o distrito).

Vila Valério

População atingida: 6 mil pessoas.

Cidade Nova da Serra (Serra)

População atingida: 549.

São Roque do Canaã

População atingida: 12 mil pessoas.

Municípios do SAAE que estão em racionamento e pessoas afetadas

Aracruz

População atingida: 80 mil pessoas.

Ibiraçu

População atingida: 10 mil pessoas.

Jaguaré

População atingida: 16 mil pessoas.

Governador Lindenberg

População atingida: 4 mil pessoas.

Marilândia

População atingida: 12 mil pessoas.

Rio Bananal

População atingida: 10 mil pessoas.

Principais medidas tomadas pela Cesan e Saae

Perfuração de poços artesianos.

Caminhões-pipa.

Barragem.

Pedido de ajuda para enterrar o gado

A seca está castigando mais um ano a agricultura no Espírito Santo. No Estado, a Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag) estima que em 2015 a perda na produção agropecuária foi de R$ 1,5 bilhão devido à seca.

Quem mora no interior dessas cidades depende principalmente de poços artesianos e nascentes, e a expectativa é que as perdas sejam piores este ano.

De acordo com a coordenadora municipal de Proteção e Defesa Civil de São Gabriel da Palha, Dandara Teixeira Mininõ, só em 2016 já existe um prejuízo de R$ 34 milhões na agricultura, principalmente com o café conilon.

“Não tem água para irrigar. Se as condições climáticas continuarem da mesma forma, podemos colocar em risco também abastecimento humano nos próximos 90 dias”, finaliza.

Em São Roque do Canaã, a situação não é diferente. De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico e Agricultura, Fábio Loss Luchi, o prejuízo será grande. “Na pecuária tenho tido muitos pedidos para poder enterrar boi, eles estão morrendo por falta de água e comida. Na agricultura teremos uma perda de 70% a 80% este ano do que é produzido”.

O produtor rural de São Roque do Canaã Elias Cassimiro Moreira acredita que terá perda de 70% da lavoura este ano, cerca de R$ 60 mil de prejuízo. Sem água para plantação, ele já não irriga os 25 mil pés de café há 50 dias. “O Rio Alto Santa Júlia, perto de onde está a plantação, está seco, não tem como irrigar e não tenho outra alternativa. Estamos precisando de ajuda”, comenta.

O coordenador municipal de Proteção e Defesa Civil de Pancas acredita que na cidade o que está sendo mais atingida é a agricultura e a agropecuária. Na município, a captação está sendo feita ainda pelo Rio Panquinhas e no interior é utilizado poços artesianos. “O que mais está sendo prejudicado é a agricultura. A estimativa de um prejuízo de R$ 48 milhões só neste ano. O gado também está sendo muito prejudicado”, comenta.

Bombas Lacradas

Em algumas cidades, como em Santa Teresa e São Roque do Canaã, bombas de produtores rurais, utilizadas para irrigação, foram lacradas pelo Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema). O lacre das bombas ocorreu por conta da captação de água que se limita ao consumo humano e animal devido à situação crítica.

Carros-pipa e poços: alívio para população

Grande parte da população dos municípios afetados tem como recurso a perfuração de poços e os caminhões-pipa.

Em Conceição da Barra, por exemplo, segundo o coordenador municipal de Proteção e Defesa Civil do município, Jalmas Ferreira Greif, cinco poços artesianos abastecem a cidade e o interior. Um dos rios que abasteciam a cidade, o Rio Cricaré, ficou com um nível tão baixo que a maré adentrou o rio.

“A situação é muito crítica, tem gente na zona rural que caminha de 5 a 6 quilômetros para buscar água em poços de vizinhos. Um acaba socorrendo o outro. Acredito que, se não chover, vamos precisar de caminhão-pipa e cavar mais poços”, comenta Jalmas Greif.

Em Jaguaré, a captação é feita por uma barragem que está com 5% do volume normal. Segundo o diretor presidente do SAAE, Sergio Côrrea, foi preciso perfurar um poço artesiano e também utilizar a nascente de um produtor rural. “Esta semana colocaremos o segundo poço artesiano para funcionar e na outra semana, mais um”, comenta Corrêa.

A Cesan informou que há projetos para a perfuração de novos poços, como em Vila Pavão, Conceição da Barra, Distrito de Imburama (Ecoporanga). Já em Ecoporanga e Barra de São Francisco está em andamento o projeto de barramento.