Quem Será o novo Desembargador vindo do MPES?

651

mp-esEstou vendo no site www.tj.es.gov.br a notícia de que o Presidente do TJES entregará lista tríplice do MPES ao governador nesta quarta (13/05/2015) A verdade que a lista tríplice não é do MPES por mais respeito que mereça os promotores que estão na relação. A lista é do Governador Paulo Hartung. Assim é e sempre será.

Apesar da vaga – quinto constitucional -pertencer a OAB e ao Ministério Público, segundo os preceitos da CF, nunca foi das instituições e sim dos Governantes de Plantão. A democracia exercida dentro das instituições é balela. O candidato pode ter os votos de todos os promotores, porém, basta que os outros candidatos votem em si, que os seis primeiros estarão na lista, bastando ver os critérios de desempate do segundo ao sexto, excluindo os demais, se houver.

A vaga da magistratura é do juiz e a da OAB do advogado. No caso do MPES a vaga será sempre de um procurador, dependendo da força “política” do candidato. No penúltimo pleito o Desembargador Calmon foi anunciado pelo governador muito antes do início da escolha no MPES. Ele foi o quinto mais votado e, apesar da cortina de fumaça de Hartung, foi José Paulo o eleito.

A votação no TJES também é protocolar. O presidente do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES), desembargador Sérgio Bizzotto, vai entregar pessoalmente ao governador do Estado, Paulo Hartung, na tarde desta quarta-feira, 13 de maio, a lista tríplice com os nomes dos candidatos que concorrem a uma vaga de desembargador na Corte capixaba.

O governador irá escolher entre os nomes do procurador de Justiça Fernando Zardini Antônio e dos promotores Gustavo Modenesi Martins da Cunha e Vera Lúcia Murta Miranda. A vaga de desembargador foi aberta com a aposentadoria de José Luiz Barreto Vivas.

Desta vez a votação no TJES foi equilibrada, tendo o procurador de Justiça Fernando Zardini, outro que ficou em quinto na lista dos promotores de justiça, alcançado 25 votos, o promotor Gustavo Modenesi teve 24, enquanto a promotora Vera Lúcia Miranda chegou a 21.