Quatro pessoas são presas em flagrante durante torneio de tiro ilegal em Águia Branca

615

Quatro pessoas foram presas durante um torneio em clube e estande de tiro não autorizado, na localidade de Córrego do Café, município de Águia Branca, no Noroeste do Espírito Santo.

As prisões aconteceram neste domingo (31/05/2020), após uma ação de fiscalização do Exército Brasileiro, com apoio da Polícia Federal. A operação foi batizada como Chicago.

Conforme explica a Polícia Federal, clubes e estandes de tiro, bem como lojas de venda de armas de fogo e de munições, precisam de autorização do Exército.

Esse controle tem o objetivo principal de garantir que as normas de segurança do local sejam cumpridas, além da verificação de idoneidade dos proprietários.

No caso deste torneio, foram confirmadas irregularidades na realização do evento e na venda de munições no local.

Presos

Um dos presos em flagrante na ação é o dono do local onde aconteceu o torneio.

Segundo a PF, ele é um lojista autorizado de Vila Velha, na Grande Vitória, mas não possui autorização para funcionamento de clube ou estande de tiro, tampouco de comércio de munições em Águia Branca.

Além dele, o organizador do torneio também foi preso por comércio ilegal de munições, com pena máxima de reclusão de seis anos. Eles ainda responderão administrativamente junto ao Exército.

Também foram detidos em flagrante dois indivíduos portando ilegalmente arma de fogo. Eles pagaram fiança e foram liberados.

Ainda foi verificada a presença de Instrutor de Armamento e Tiro no local cuja atuação será investigada em procedimento próprio.

Pela Polícia Federal, foram apreendidos uma pistola calibre .380, um revólver calibre .357 e outro revólver calibre .38, e mais de cinco mil munições de diversos calibres (.22, .38, .380, .40 e 12).

O Exército Brasileiro autuou administrativamente sete atiradores e apreendeu 11 armas de fogo, o que pode resultar no perdimento do armamento e cassação do Certificado de Registro por estar praticando tiro em clube ilegal, já que o atirador deve estar filiado a clube ou estande de tiro autorizado, sendo sua obrigação verificar a regularidade do local.

A operação contou com a participação de oito Policiais Federais e 11 militares do Serviço de Fiscalização de Produtos Controlados do 38º Batalhão de Infantaria do Exército Brasileiro.

Fonte: g1