Promotor que apura “Máfia da Areia” em Barra de São Francisco pede apreensão de caminhão de Rodriguinho

1809
Promotor Creumir Guerra
Promotor Creumir Guerra

Este site procurou saber da promotoria de justiça de Barra de São Francisco maiores informações a respeito da denúncia de que peças que foram retiradas do caminhão da prefeitura municipal e repassada ao “Rodriguinho da Areia”.

O promotor de justiça encarregado de apurar a chamada “máfia da areia” é o Dr. Creumir Guerra, que aceitou responder algumas perguntas sobre o assunto.

GazetaPorque Senhor recebeu denúncia sobre a venda de peças retiradas do caminhão da prefeitura de Barra de São Francisco?

Dr. Creumir– Eu recebi denúncia de que uma caixa de marcha, um diferencial e um eixo dianteiro foi retirado de um veículo usado do Município de Barra de São Francisco e para ser usada no caminhão de uma pessoa de nome Rodrigo.

GazetaO Senhor ouviu a referida pessoa?

Dr. Creumir – A promotoria de justiça tem ouvido diversas pessoas sobre os mais variados assuntos relacionados a “denuncias” contra a administração municipal. O referido Rodrigo já havia sido notificado para esclarecer sobre a extração, comercio e transporte de areia.

Na oportunidade ele foi indagado sobre as tais peças e falou que tem um caminhão Mercedes 1113, placa GVH – 8828, ano 72, que usa para fazer frete de areia. Contou que seu caminhão quebrou e como não tem recurso financeiro para gastar com o caminhão, pediu ajuda ao vereador Emerson Lima, atual secretário de transporte, que teria cedido as peças usadas a ele.

GazetaRodrigo falou como o secretario conseguiu as peças?

Dr. Creumir – Ele falou que pegou as peças com o Samuel por ordem de Emerson Lima e que pegou as peças velhas de seu caminhão e entregou ao mecânico Samuel para que colocasse no veículo da prefeitura. As peças foram retiradas na própria secretaria pelo mecânico Samuel que trabalha no local.

GazetaHouve pagamento pelas peças?

Dr. Creumir – Rodrigo afirmou que pagou R$ 1.000 reais ao mecânico Samuel para instalar as peças em seu caminhão, não tendo pago pelas peças. Ele emprestou quatro caminhões de areia para que Emerson levasse para obra no campo do Denzol, mas Emerson Lima ficou de devolver a areia, que não foi devolvida.

GazetaO depoimento de Rodrigo foi registrado?

Dr. Creumir – Sim. Foi transcrito na presença de suas testemunhas.

Gazeta – Quais as providencias o Senhor tomou sobre a situação?

Dr. Creumir – A apropriação de bem de propriedade público em proveito próprio ou de terceiro é crime, independente de pagamento. Encaminhei as informações ao Promotor Criminal e ao Delegado de Polícia, a quem pedi que providenciasse a apreensão do veículo de Rodrigo para fazer a prova material do ocorrido e devolução das peças ao município.

Também encaminhei cópia ao prefeito municipal de Barra de São Francisco, que tem o dever de mandar apurar os fatos por meio de sindicância ou outro procedimento próprio.