Prefeito faz apelo por reforço de vacinas para Barra de São Francisco

587


Com a explosão de casos de Covid19 em Barra de São Francisco, no Noroeste do Estado, um dos dois municípios capixabas apontados pela Secretaria de Estado de Saúde como epicentro da variante SGTF, chamada cepa inglesa do coronavius, ao lado de Piúma, o prefeito Enivaldo dos Anjos (PSD) mandou um ofício ao governador Renato Casagrande com um apelo para que o município tenha reforço no envio de vacinas contra o agente da doença.

O chefe do Executivo municipal pediu que Barra de São Francisco seja colocado como prioridade para acelerar a vacinação da população vulnerável e registrou que a cepa inglesa da doença, encontrada no município, atinge principalmente a população mais jovem. Pela manhã, Enivaldo havia enviado, pelo aplicativo whatsapp, um alerta dramático à população.
No texto, ele relata que o Hospital Dr Alceu Melgaço Filho estava com 33 pacientes de Covid, sendo 10 intubados na UTI, cinco intubados no pronto socorro, oito aguardando transferência para a UTI.

“Os pacientes não param de chegar , todos com no mínimo 70% de comprometimento do pulmão. Está desesperador, pacientes clamando por ar, e pegando os profissionais pelo braço pedindo socorro. Estamos com muitas dificuldades para ajudar as pessoas, não existem vagas no Estado”, disse o comunicado.

Junto, o prefeito encaminhou um áudio de mais de três minutos gravado na noite de domingo pelo médico obstetra Leonardo Dornelas, que atual no hospital estadual do município. O médico diz:

“Só eu intubei três pacientes, desci para ajudar um colega que estava sozinho no plantão. Agora, temos a pior situação de todas. Hoje foram abertas as duas últimas caixas de Imidazolan, medicamento essencial para manter os pacientes confortáveis”. Se não chegar mais desse medicamento, o médico prevê que pacientes terão que extubados e deixados morrer sem conseguir respirar.

No sábado, 20, à tarde, o secretário municipal de Saúde, vice-prefeito Gustavo Lacerda, ajudou a coordenar uma operação emergencial para abertura de novos leitos de UTI no hospital, mas a ação não foi suficiente, pois estão chegando não apenas pacientes do município, mas a metade vem de municípios vizinhos. “Fiquem em casa, usem equipamentos de proteção e álcool gel”, pediu o prefeito.

Em fevereiro deste ano, uma reportagem publicada em nível nacional apontou que a variante B117 do novo coronavírus detectada no Reino Unido já estava presente em, pelo menos, 16 cidades de oito Estados brasileiros, inclusive o Espírito Santo, onde a cepa foi detectada em Barra de São Francisco.

Durante a coletiva de imprensa do secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, e do diretor do Laboratório Central (Lacen), Rodrigo Rodrigues, foi revelado que Barra de São Francisco e Piúma, no sul do Estado, são o “epicentro” da variante SGTF, que está associada à B117.

A informação do diretor do Lacen pode ser a chave para entender a rapidez com que o vírus passou a se propagar em Barra de São Francisco desde o início deste ano.
De lá para cá, o número de casos confirmados saltou de 1.738 para 2.741 neste domingo. O número de mortes aumentou de 51 para 86, ou seja, foram registrados mais 37 óbitos na cidade em apenas dois meses e meio.
E mais, os casos ativos, que até fevereiro vinham se mantendo entre 130 e 140, no máximo, deram um salto de 220%, passando de 90 em 4 de janeiro para 288 neste domingo, 21.

A situação foi classificada hoje, pelo secretário municipal de Saúde como “desesperadora” e o Hospital Estadual Dr. Alceu Melgaço Filho teve seu Centro de Tratamento Intensivo (CTI), adaptado às pressas neste fim de semana para atender integralmente a pacientes de Covid-19.

A variante inglesa foi identificada em dezembro do ano passado por autoridades sanitárias do Reino Unido e é considerada mais contagiosa do que a versão original do novo coronavírus. Ela já se disseminou por 60 países, segundo informe da Organização Mundial de Saúde (OMS).