Ponte inacabada em Itapina, interior de Colatina nunca foi usada

2556

Foto Aérea ItapinaSímbolo do desperdício do dinheiro público, uma ponte inacabada no distrito histórico de Itapina, em Colatina no noroeste do Espírito Santo nunca foi usada e prejudicou a expansão de seis cidades do noroeste do Espírito Santo.

O gigantesco esqueleto de cimento e aço avança sobre o majestoso Rio Doce e ‘leva nada a lugar algum’, comenta o eletricista Roberto Guimarães Morati, 58 anos, o Beto.

Nascido e criado em Itapina, Beto Morati cresceu convivendo com as histórias da ponte-fantasma sem qualquer documento no arquivo de obras da União, conforme pesquisou interessado na memória local.

“Hoje a ponte está condenada. Apenas uma lembrança amarga do isolamento que Itapina sofreu depois que a obra foi abandonada em razão de erros de alinhamento na estrutura.

Contam que a construtora foi embora e o material de construção pilhado. Várias casas de Itapina foram construídas com a ferragem que sobrou dela”, disse Beto. Para ele, a ponte é um ponto turístico da cidade com mais de 100 casarões no estilo colonial brasileiro e art décor.

“Na época de ouro da riqueza do café e da madeira, Itapina era conhecida como a Pérola do Rio Doce”, destacou. Uma pesquisa escolar feita sobre o Centro Histórico de Itapina tombado pelo Conselho Estadual de Cultura (CEC), a ponte abandonada começou a ser construída na presidência de Juscelino Kubstischek.

Ligaria o distrito da ao asfalto encurtando o caminho até Colatina em menos de 20 minutos. “Pesou mesmo foi o jogo político. Em Itapina havia um comércio avançado. Contava com uma rica sociedade. Tinha cinema, posto de combustível, lojas finas até de Ford 29, Ameaçava Colatina como sede do município e o traçado da estrada foi mudado da noite para dia.

Aí veio a decadência”, recordou Beto. Ele destaca que o abandono da ponte devido à mudança repentina de planos do governo federal prejudicou a expansão dos municípios de Baixo Guandu, Pancas, Itarana, Itaguaçu, Afonso Cláudio e Santa Maria do Jetibá.

O secretário de Trânsito e Transporte de Colatina Renan Bragatto confirma que a ponte de Itapina está mesmo com a infra-estrutura condenada devido a graves rachaduras na base. “Não tem recuperação’, resumiu Bragatto.

Fonte: Nilo Tardin