Polícia investiga desvio de dinheiro em Câmara Municipal, após servidor desaparecer

250
Itarana – ES

A Polícia Civil investiga um caso de desvio de dinheiro público na Câmara Municipal de Itarana, no Espírito Santo, que pode ultrapassar o valor de R$ 700 mil. O crime foi descoberto depois que o contador e tesoureiro do órgão desapareceu da cidade. A quantia e o suspeito ainda não foram localizados.

O desaparecimento do servidor foi comunicado à polícia pela esposa dele na terça-feira (3). No dia seguinte, a Presidência da Câmara tomou conhecimento do desvio ao tentar fazer um repasse no valor de R$ 740 mil à prefeitura e, imediatamente, ligou os dois fatos.

“No dia, eu teria que fazer um repasse para o município. Cheguei no banco e vi que não tinha o dinheiro na conta. Aí que descobri. Mas ainda não sabemos o total do desvio”, explicou o presidente da Câmara de Itarana, Arnaldo Martins. No mesmo dia, o servidor foi exonerado.

O recurso seria utilizado pela prefeitura do município para comprar um imóvel onde será a nova sede da Câmara. Atualmente, o imóvel onde o órgão está instalado é alugado.

De acordo com uma nota enviada pela Câmara, o servidor suspeito de desviar a quantia atuava na contabilidade do órgão desde 2005. Os valores e as datas em que o dinheiro foi transferido ainda estão em análise.

Após essa descoberta, segundo o órgão, foram adotadas todas as medidas necessárias para esclarecer o caso e recuperar o valor desviado, na esfera administrativa e policial.

A Polícia Civil informou que testemunhas já foram ouvidas sobre o caso e, para que a apuração seja preservada, nenhuma outra informação será repassada.

A Prefeitura Municipal de Itarana disse que já foi informada sobre a situação. “Estamos tomando ciência dos fatos por conta de serem recentes, e os servidores do Executivo Municipal provavelmente serão colocados para cooperar junto à Câmara Municipal, para, no primeiro momento, averiguar qual foi o tamanho do desfalque, as providências a serem tomadas e outros fatos”.

Além disso, informou que será instaurada uma Tomada de Contas Especial (TCE) pela Câmara para poder apurar as responsabilidades.

A PC também destacou que a população pode auxiliar na investigação por meio do telefone 181. As informações ao Disque-Denúncia ainda podem ser enviadas por meio do site, onde é possível anexar imagens e vídeos de ações criminosas.

Fonte: G1 ES