Operação prende oito suspeitos do assassinato de balconista

837
Marília Carvalho morreu na hora
Marília Carvalho morreu na hora

Uma operação que envolveu policiais militares do Espírito Santo, da Bahia e de Minas Gerais, e policiais civis de Montanha, prendeu oito suspeitos do assassinato da balconista Marília Carvalho do Carmo, de 29 anos. Segundo a Polícia Militar, a jovem foi vítima de latrocínio.

O crime ocorreu na noite de 22 de agosto em uma plantação de eucalipto próxima da divisa de Montanha com a cidade de Nanuque, em Minas Gerais. Marília foi baleada na cabeça e morreu no local. Ela foi rendida com um amigo, que também foi baleado, mas sobreviveu.

Na época, o amigo, um pecuarista de 34 anos, contou aos militares que ele e a balconista estavam perto do hospital de Montanha quando foram rendidos por dois desconhecidos e forçados a entrar no veículo, seguindo pela ES-130, com destino a Nanuque. Ele contou que, durante todo o trajeto, os criminosos diziam que iriam matá-los.

Quando chegaram ao local do crime, os assassinos retiraram o pecuarista e a balconista do carro e fizeram vários disparos, que atingiram a cabeça das vítimas. Após o crime, os bandidos fugiram levando o veículo do pecuarista (Volkswagen Gol cinza) e o celular da balconista. O pecuarista conseguiu escapar e pedir socorro porque fingiu que estava morto.

Após o crime, os policias envolvidos na operação realizaram levantamentos e descobriram que o crime foi praticado por quatro indivíduos com a participação de outros quatro suspeitos. Entre eles, um mecânico, que desmontou o veículo roubado e montou em outro veículo para os criminosos, e um comerciante, que estava com o celular da vítima.

De posse dos mandados de prisão e busca e apreensão, foi planejada a operação nesta quinta-feira (6), nos municípios de Nanuque (Minas Gerais) e Posto da Mata (Bahia), e distrito de Nova Viçosa (Bahia), que resultou na prisão do grupo. Um dos detidos é menor de idade.

A PM informou que os executores confessaram o crime, alegando que o objetivo era roubar o veículo do pecuarista. Mas, durante o roubo, resolveram assassiná-los. Apenas um suspeito teria feito os disparos. Durante a operação, os militares também apreenderam o celular da balconista, levado no dia do crime. A arma do crime ainda não foi localizada.

De acordo com a Polícia Militar, os suspeitos tinham um veículo igual ao do pecuarista, um Volkswagen Gol, mas bateram o carro. O objetivo deles, então, era substituir a carroceria danificada com a carroceria do veículo da vítima. Como o carro do pecuarista era cinza, a carroceria foi pintada de vermelho. O motor do Gol da vítima foi vendido pelos suspeitos.

Participaram da operação agentes do Serviço de Inteligência do 2º Batalhão da PM, militares da 24ª Companhia Independente de Nanuque e da CAEMA de Posto da Mata, com apoio de policiais civis de Montanha.

Fonte: Gazeta Online