MP de Contas emite parecer pela aprovação de contas do Prefeito de Mantena, Dr. Wanderson Coelho

383

21O Ministério Público de Contas do Estado de Minas Gerais emitiu parecer concluindo que não foram verificadas irregularidades nas contas prestadas pela prefeitura de Mantena. Índices como saúde (20,41%) e educação (26,63%) receberam mais investimentos do que o exigido pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Dr. Wanderson Coelho (foto) já teve as contas de 2013 analisadas e aprovadas também pela Câmara Municipal. Os dados foram analisados pela Unidade Técnica, que não apontou irregularidade:

A Unidade Técnica registou que a abertura de créditos orçamentários e adicionais obedeceu ao disposto no art. 167, incisos II, V e VII, da Constituição da República e nos artigos 42, 43 e 59 da Lei Federal nº 4.320/64.

Repasse ao Poder Legislativo:

O repasse de recursos ao Poder Legislativo Municipal, no montante de R$ 1.731.427,54 (6,64%), observou o limite de 7% da receita base de cálculo, em conformidade com o art. 29-A, inciso I, da Constituição da República.

Educação

No tocante à manutenção e desenvolvimento do ensino (MDE), o Municipio aplicou R$ 6.880.082,58 da receita base de cálculo, o que representa 26,63% da receita base de cálculo, em cumprimento ao art. 212 da Constituição da República.

Saúde

No exercício em análise, o Município aplicou R$ 5.273.195,23 nas ações e serviços públicos, de saúde (ASPS), o que representa 20,41% da receita base de cálculo, em cumprimento ao art. 198, Inciso 2º, III da Constituição da República, art. 77, inciso III do ADCT da CR/88 c/c Lei Complementar nº 141/2012.

Despesas com pessoal

Da mesma forma, foram observados os limites referentes às despesas com pessoal, nos termos dos artigos 19, da Lei Complementar Federal nº 101, de 4 de maio de 2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal).

Diante dos fatos, a Procuradora do Ministério Público de Contas, Cristina Andrade Melo, que assina o parecer datado em 25 de novembro de 2015 conclui que pela ótica normativa atualmente vigente no Tribunal de Contas, não foram verificadas irregularidades nas contas prestadas pelo gestor público.

Ante o exposto, com fulcro nos dados lançados no sistema SICOM pelo próprio agente responsável e na análise feita apelo órgão técnico do Tribunal, o Ministério Público de Contas OPINA: pela emissão de parecer prévio pela aprovação das contas municipais.