Tio de criança de 9 anos morta em São Gabriel da Palha foi preso e confessou o crime

800

555O acusado de ter matado a menina de nove anos que foi encontrada morta, com sinais de violência sexual e estrangulamento, na manhã desta segunda-feira no bairro Boa Vista, em São Gabriel da Palha, foi preso. Vale lembrar que corpo de Letícia Cristina Potratz foi localizado após uma denúncia por volta de 8h30.

O acusado do crime é um tio da vítima, identificado como Carlos Roberto da Silva, 22. Ele foi preso nesta segunda-feira, depois de se apresentar à Polícia Militar, em São Domingos do Norte. Carlos foi levado para a Delegacia de Barra de São Francisco, onde foi interrogado pelo delegado Renan Alves dos Santos, e confessou o crime.

Segundo o delegado, Carlos estaria de passagem pela casa de familiares de Letícia. No sábado, ele foi a um churrasco na casa do avô da menina. Na volta, a “oportunidade” de cometer o crime aconteceu: Letícia foi deixada pela mãe na casa da tia dela, onde Carlos estava hospedado.

A parente da menina resolveu sair de casa para ir a um forró e Carlos ficou sozinho com Letícia. Usuário de drogas, o rapaz disse que cometeu o crime entre meia-noite e 1h da madrugada de domingo. Depois disso, ele fugiu do local.

Os parentes de Letícia estranharam o sumiço dela e de Carlos e passaram a procurar pela menina. Eles denunciaram o desaparecimento à PM, em São Gabriel da Palha, ainda no domingo.

O acusado fugiu de bicicleta para São Domingos do Norte, indo para a casa de outro parente, que não sabia sobre o crime cometido por ele, em São Gabriel da Palha. A desconfiança começou, quando ele pediu para que o parente ligasse para a família da menina, para saber notícias dela.

“O Carlos entrou em contato com a família, para saber como estava a situação e foi aconselhado a se apresentar na delegacia. Depois disso, ele passou a noite de domingo escondido na mata”, disse o delegado Renan Alves.

Nesta segunda-feira o rapaz resolveu se entregar. Segundo o delegado, durante o depoimento, que durou boa parte de do dia, o rapaz foi totalmente frio, não demonstrando sinal de arrependimento por ter cometido o crime.

“Ele disse que estava sob efeito de drogas e é usuário de crack. E, pelo que falamos com os policiais que foram ao local onde estava o corpo, a forma de agir bate com a de uma pessoa sob o efeito de drogas”, disse o delegado.

Apesar de confessar, Carlos não foi autuado em flagrante. A Polícia Civil aguardava um mandado judicial, para levá-lo para o Centro de Triagem de Viana.