Governo ignora decisão de comunidade e quer impor Escola Viva em escola de Colatina

389

41A escola Conde de Linhares, no Centro de Colatina, tem uma participação ativa da comunidade escolar. É considerada uma das melhores da rede pública do Estado. Atende cerca de 700 alunos e oferece cursos profissionalizantes em diversas áreas. Tudo parecia caminhar bem, até que a escola passou a ser sondada pela Secretaria de Educação do Estado (Sedu) para abrigar a unidade do Escola Viva na cidade e a pressão começou.

A estrutura e o bom desempenho dos alunos chamaram a atenção do governo do Estado, que iniciou um processo de convencimento de estudantes e pais e professores para levar o Escola Viva para Colatina. Mas a comunidade escolar, depois de várias reuniões decidiu que não queria alterar a atual dinâmica pedagógica da escola, que oferece o ensino regular profissionalizante aos alunos.

Mas o governo do Estado parece não ter se conformado com a negativa, e vem insistindo em levar o projeto para a escola mesmo a contragosto da comunidade escolar, o que tem causado apreensão no município.

No próprio documento, que está no site da SEDU, sobre os procedimentos de adesão ao programa, diz que isso deve acontecer por meio de uma reunião com o Conselho de Escola, com presença absoluta e decisão por maioria simples.

Isso já foi feito na escola. A maioria rejeitou a proposta. A decisão, embora conste em ata, não está sendo respeitada. Corre nos bastidores do processo que uma série de reuniões com lideranças políticas locais estariam acontecendo à revelia de pais, alunos e professores, com o objetivo de implantar o projeto a qualquer custo na escola.

Uma medida que foi entendida como represália foi a não abertura de vagas de primeiro ano da escola, no sistema escolar. O prazo para o lançamento das vagas acabou na sexta-feira (27/11/2015) e as vagas do Conde Linhares não apareceram no sistema. A preocupação dos pais é de que os alunos dos cursos técnicos dos primeiros e segundos anos do Conde de Linhares sejam transferidos para a escola Rubens Rangel, para abrir as vagas para o Escola Viva.

A escola conta com laboratório de modelagem, quatro laboratórios de informática, laboratórios de biologia, química e física. A turma de biblioteconomia, um dos cursos oferecidas pela escola, conta com uma estruturada biblioteca.

Na Conde de Linhares o clima entre os estudantes é de revolta. Estão previstas manifestações, envolvendo pais e alunos, para que a decisão da comunidade seja respeitada e que as vagas entrem o mais rápido possível no sistema escolar.

A possibilidade de acionar o Ministério Público também está sendo estudada pela comunidade, uma vez que existe um edital dizendo que é necessária a adesão da escola para se implantar o programa.

Fonte: seculodiario