Gleyciaria: “Professores de Nova Venécia não conseguem caminhar em frente ao quadro da escola”

1247
Vereadora Gleyciaria
Vereadora Gleyciaria

A vereadora Gleyciaria Bergamim denunciou na sessão da Câmara Municipal de Nova Venécia a situação da Escola “Francisco Sechim”, localizada no interior do município.

No período diurno a escola é de responsabilidade do município, atendendo crianças da educação infantil ao ensino fundamental, já no período noturno a escola atende a rede estadual de ensino.

“As salas de aula possuem aproximadamente 24 metros quadrados, mas devido a superlotação em relação ao espaço físico, os professores não conseguem caminhar em frente ao quadro branco, um de seus poucos instrumentos de apoio”, disse a vereadora.

Uma das salas é ocupada por 33 pessoas, sendo: 30 alunos, um adolescente com necessidades educacionais especiais, uma professora bi docente e a professora regente. As crianças da educação infantil não possuem nenhum espaço para suas atividades físicas, o parquinho foi desmontado para a construção de uma quadra esportiva pelo Governo do Estado, embora praticamente concluída desde dezembro de 2014 não é permitida sua utilização pelos alunos e comunidade.

A biblioteca não possui um funcionário para atendimento aos projetos complementares ao aprendizado das crianças e apoio ao professor, além do espaço reduzido, muitos dos ventiladores não funcionam, o que dificulta ainda mais o desenvolvimento das atividades.

A escola possui ao todo 199 alunos, e cada turno de funcionamento possui duas servidoras que se dividem entre a preparação dos alimentos e limpeza de todas as dependências, com esse quantitativo reduzido de pessoal tais serviços acabam sendo prejudicados.

Segundo a vereadora é praticamente impossível falar sobre uma educação de qualidade, onde não há condições mínimas para a realização das atividades educacionais.

“Embora nossos educadores sejam de excelência é impossível ministrar suas aulas de forma satisfatória até mesmo porque mal conseguem se aproximar do quadro ou movimentar-se pela sala para atendimentos individualizados, disse Gleyciaria.

456 670