Ex-governador Gerson Camata assassinado por ex-assessor em Vitória

1072

O ex-senador por três mandatos e ex-governador do Espírito Santo Gerson Camata, de 77 anos, foi assassinado a tiro na tarde desta quarta-feira (26), na rua Joaquim Lyrio, na Praia do Canto, em Vitória. A polícia apresentou o ex-assessor Marco Venício Moreira Andrade, 66 anos, como o autor do disparo com uma arma que não era registrada. O governo do Estado decretou luto oficial de sete dias.

De acordo como secretário de Estado de Segurança Pública, coronel Nylton Rodrigues, o ex-assessor Marco Venício teve R$ 60 mil bloqueados em sua conta por uma ação judicial movida por Camata. Ele teria encontrado o ex-senador em uma padaria. Foi tirar satisfações sobre o bloqueio e, logo em seguida, já na calçada efetuou o disparo no pescoço.

Marco Venício, o “Marquinho Camata”, foi apresentado como autor do disparo

O Samu chegou a ser acionado por populares, mas o ex-senador, um dos políticos mais populares do Espírito Santo, não resistiu aos ferimentos. Nascido em Venda Nova do Imigrante, quando ainda era distrito de Castelo no Sul do Estado, e criado em Marilândia, no Norte do Estado, Gerson Camata tornou-se conhecido nos anos 60 como radialista em Vitória.

Foi vereador da capital, deputado estadual por dois mandatos, deputado federal. Em 1982, foi o primeiro governador eleito depois do golpe militar de 1964. A partir de 1986, cumpriu três mandatos de senador. Sua mulher, Rita Camata, cumpriu cinco mandatos também de deputada federal.

De acordo com informações do Blog do jornalista Elimar Cortes, o ex-senador e ex-governador Gerson Camata foi assassinado com tiro de pistola, na tarde desta quarta-feira (26/12), na esquina da rua Chapot Presvot com a rua Joaquim Lyrio, na Praia do Canto, em Vitória.

O assassino cometeu o crime com uma pistola prateada. De acordo com testemunhas ouvidas pela polícia, o ex-senador chegou a conversar com o assassino, pedindo, inclusive, que o criminosos não o matasse: “Não faça isso, rapaz”, teria dito Gerson Camata, que, em seguida, foi alvejado.

O corpo ficou caído na calçada. Segundo testemunhas, o assassino se aproximou do ex–senador e atirou na cabeça. O criminoso foi identificado, localizado e preso pouco depois.  O criime aconteceu a poucos metros do edifício onde reside o governador Paulo Hartung, num dos locais mais movimentados da capital capixaba.

Em 2009, Marco Venício, que trabalhou 20 anos junto com Camata, fez uma denúncia que virou manchete nos jornais nacionais sobre a prática de caixa dois em campanhas eleitorais do senador. Inclusive, envolvendo a Construtora Odebrecht, que concluiu as obras da Terceira Ponte ligando Vitória a Vila Velha. Tanto a empreiteira quanto o senador sempre negaram as acusações veiculadas em reportagem de Chico Otávio no jornal O Globo.

Marco Venício, que é economista, chegou a ser nomeado presidente da Banestes Seguros no primeiro governo de Paulo Hartung, em 2003. Ficou dois anos e meio no cargo. Ao deixar o cargo, alegou que foi abandonado pelo antigo chefe e amigo. A partir de 2005, as relações entre eles se deterioram, chegando à denúncia de 2009. Camata entrou na Justiça contra Marcos Venício e seria decorrente dessa ação que, agora, ele teria tido R$ 60 mil bloqueados em suas contas bancárias.

De tão íntimo com o ex-governador e ex-senador, Marco Venício era conhecido como “Marquinho Camata”.