Entenda o caso em que o pai matou o filho no almoço de Natal em Água Doce do Norte

2972
O criminoso foi preso em flagrante
O criminoso foi preso em flagrante

Um almoço de Natal terminou em tragédia no interior de Água Doce do Norte, no Noroeste do Estado. Um pai confessou à Polícia Civil ter matado o próprio filho com um tiro no peito, durante uma discussão de família. O crime aconteceu no distrito de Governador Lacerda de Aguiar, conhecido como Rio Preto.

Segundo o delegado plantonista de Barra de São Francisco, Douglas Trevizani Sperandio, a confusão começou após o almoço de Natal, quando Francelino José de Oliveira, 72 anos, passou a bater no neto de 11 anos e o ex-cunhado foi defender o menino.

“O neto estava brincando com a criação de pintinhos. O avô viu um pintinho morto e pensou que o menino havia matado o animal. Francelino, então, começou a bater no menino. O ex-cunhado foi defender a criança e entrou em luta corporal com Francelino”.

Depois disso, de acordo com o delegado, o filho de Francelino, Valtair José de Oliveira, 31 anos, e a esposa tentaram separar os dois e conseguiram. Mesmo assim, Francelino falou que queria matar o ex-cunhado, entrou em casa e pegou a espingarda.

“Nesse momento o rapaz foi embora. O filho falou com o pai que ele estava errado e que o neto não tinha feito nada com o animal. Francelino acabou puxando o gatilho e atingiu o filho no peito”, disse Sperandio.

Valtair chegou a ser socorrido para o Hospital Doutora Rita de Cássia, em Barra de São Francisco, mas não resistiu aos ferimentos.

Além de atirar no próprio filho, o pai teria dificultado o socorro da vítima.

Segundo o delegado, a esposa disse que, logo após o disparo, Francelino apontou a espingarda para os familiares, impedindo que o filho fosse socorrido. “Só foi possível o socorro porque foi aglomerando gente e Francelino acabou fugindo”.

O suspeito foi detido no mesmo dia com a espingarda usada no crime. Segundo a Polícia Militar, Francelino estava escondido dentro de uma matinha, próxima ao local conhecido como “pinicão”.

Ele não resistiu à prisão e foi levado inicialmente para o mesmo hospital que o filho foi socorrido, pois apresentava algumas escoriações. Ele disse à Polícia Militar que foram decorrentes das agressões feitas pelo ex-cunhado e pelo próprio filho.

O delegado informou que Francelino confessou o crime, mas alegou legítima defesa. “Ele alega que o filho partiu para cima dele, mas as testemunhas dizem o contrário”.

À Polícia Militar, Francelino contou que o seu neto o xingou e, por isso, foi “corrigi-lo” com uns tapas. O ex-cunhado não aceitou e começou a agredi-lo. Depois disso, o filho também passou a agredir o pai.

Para se defender das agressões do filho, Francelino disse que entrou em casa e pegou uma espingarda. Ele alertou que Valtair não entrasse na casa, mas o filho seguiu até a janela para surpreender o pai e continuar as agressões. Nesse momento, Francelino disparou contra Valtair.

Ele foi autuado por homicídio qualificado, com base em motivo fútil e por ter impossibilitado a defesa da vítima, e por posse de arma de fogo. Na casa dele, a polícia encontrou mais duas garruchas.

O suspeito foi transferido para o Centro de Detenção Provisória de São Domingos do Norte na tarde deste sábado. A pena máxima para os crimes pode chegar a 33 anos de prisão.

Suspeito havia bebido

De acordo com o delegado Douglas Trevizani Sperandio, o acusado estava visivelmente embriagado. “Todas as testemunhas disseram que ele havia bebido. Ele próprio admitiu que tinha tomado cachaça”.

O delegado afirmou que nunca tinha visto um caso como esse. “No Natal do ano passado, eu também trabalhei e, geralmente nessa época, as pessoas não matam. Os próprios policiais mais antigos também falaram que nunca tinham visto um crime assim. O município é pacato. Choca”.