Enivaldo fala o que o povo quer ouvir e chama diretores da Samarco de criminosos

370
Deputado Enivaldo dos Anjos
Deputado Enivaldo dos Anjos

Os diretores da Samarco, responsável pela barragem que rompeu na cidade de Mariana (MG), foram ouvidos nesta terça-feira, 17/11/2015, pela comissão da Assembleia Legislativa que acompanha os danos causados pela tragédia ambiental em solo capixaba.

A reunião que tinha tudo para ser um palanque à empresa, logo após as declarações do presidente da Casa, Theodorico Ferraço (DEM), em que tratou a empresa como vítima, acabou se transformando em uma saia justa para os executivos. Isso graças à intervenção do deputado Enivaldo dos Anjos (PSD), que cobrou a responsabilização dos envolvidos e a omissão de ação da Samarco diante do incidente.

No início da reunião, o diretor comercial da mineradora, Ricardo Carvalho, expôs as providências tomadas pela empresa em consequência da onda de lama com rejeitos de mineração, que chegou ao Estado nessa segunda-feira (16) – mais de dez dias após o rompimento da barragem de Fundão, Minas Gerais, no último dia 5.

Inicialmente, os questionamentos dos deputados eram todos relacionados às ações da empresa para garantir o abastecimento de água nos municípios capixabas atingidos – Baixo Guandu, Colatina e Linhares. Tudo transcorria de forma tranquila, sem qualquer tipo de desconforto para a empresa, que causou o que é já considerada um dos maiores catástrofes ambientais do País, até que surgiu a intervenção de Enivaldo.

“Como vocês ficam surpresos com isso [rompimento da barragem]? Não dá para entender como uma empresa como a Samarco pode ficar surpresa quando ela constrói um depósito de resíduos que pode explodir e ir parar no rio.

Qual é a lógica de vocês se encontrarem diante de uma tragédia ambiental e se mostrarem surpresos?”, afirmou Enivaldo, único entre 14 parlamentares presentes que não sentou à mesa. Fez todas as críticas em pé.

Neste momento, o diretor da Samarco tentou justificar o rompimento da barragem de Fundão como um acidente, no que foi logo retrucado por Enivaldo: “Foi falta de responsabilidade da empresa. Vocês são criminosos por aquilo que causaram no Espírito Santo e Minas Gerais. Cadê a responsabilidade social de uma empresa do porte da Samarco?”, questionou.

Essa fala de Enivaldo havia sido antecipada pelo mesmo desde a última semana em pronunciamento da Casa, quando cobrou a prisão dos dirigentes da mineradora, entre eles, do diretor-presidente Ricardo Vescovi de Aragão, que, segundo o colega de diretoria, está acompanhado todos os fatos relacionados ao caso, diretamente na região de Mariana.

O debate entre Enivaldo e o diretor da Samarco não foi mais longe após uma discreta intervenção de Ferraço, que recomendou ao presidente da comissão, Josias Da Vitória (PDT), a continuidade na fala dos deputados. No entanto, após essa saia justa com Enivaldo, o clima do encontro já não era tão ameno.

O diretor da empresa, ladeado pelo assessor de relações externas, Fernando Kunsch, passou a ser questionado sobre a possibilidade do rompimento de outras barragens em Minas, além da qualidade da água no rio Doce após a passagem da lama.

De acordo com Carvalho, as barragens de Santarém e Germano não correm risco de rompimento, apesar de rachaduras terem sido encontradas no local. “Não existe qualquer risco”, afirmou, muito embora a mesma empresa tenha garantido que nunca foi alertada sobre qualquer falha na barragem que rompeu. Ele preferiu evitar ainda falar sobre a responsabilidade ou planos para recuperação ambiental.

O diretor anunciou que foi contratado um instituto internacional para comandar esse trabalho. “Por hora, nossa prioridade é com o trabalho humanitário”, repetiu. Sobre a qualidade da água, o diretor usou um laudo feito por uma companhia mineira nas águas de Governador Valadares sobre a possibilidade de tratamento e do uso normal pela população.

Ele questionou os resultados do exame feito por um laboratório particular, contratado pelo Serviço de Água e Esgoto de Baixo Guandu, que revelou a presença de substâncias tóxicas na água. Carvalho chegou a sugerir que a água poderia ter sido contaminada por outras atividades, ignorando completamente o fato de que a mortandade de peixes e espécies animais segue o caminho da onda de lama ao longo do curso do Rio Doce.

O diretor também foi questionado sobre os trabalhadores da Samarco, que concedeu licença remunerada e depois vai dar férias coletivas até janeiro para mais de três mil trabalhadores – 85% da força de trabalho.

Carvalho afirmou que não sabe sobre o futuro da empresa. Mas reforçando o discurso de vítima do incidente, tão defendido por Ferraço, ele afirmou que a mineradora só volta a operar após ter o “apoio da população”. Entretanto, Carvalho adiantou que a empresa atualmente tem condições de operar normalmente, fazendo a compra de minério de outros fornecedores.

Neste momento, Enivaldo já não estava mais presente à reunião – ele saiu logo após sua intervenção –, mas fica a impressão de que o caos ambiental provocado é apenas um mero detalhe. A previsão é de que a onda de lama chegue ao município de Colatina hoje. Ainda não há uma estimativa de quando os rejeitos de mineração vão chegar a Linhares, último município antes de a lama chegar ao mar.

Fonte: Século Diário