Enivaldo dos Anjos rouba a cena na primeira sessão ordinária da Assembleia

456
Deputado Enivaldo dos Anjos
Deputado Enivaldo dos Anjos

Os meios políticos aguardavam as primeiras movimentações do presidente da Assembleia Legislativa, Theodorico Ferraço (DEM), após indicar que vai cuidar da Assembleia e o governador Paulo Hartung (PMDB) que cuide do Executivo, dando a entender que cada um passará a dançar no seu quadrado. Apesar da expectativa em cima de Ferraço, quem roubou a cena na sessão dessa quarta-feira (3) foi o deputado Enivaldo dos Anjos (PSD).

Ele protagonizou embates acalorados, como é do seu estilo, com alguns colegas e funcionários da Casa ao discutir questões ligadas ao regimento e à dinâmica do plenário. Com uma pauta ainda morna, as discussões movimentaram a sessão e aqueceram articulações políticas neste início de legislatura.

Enivaldo x Luzia Toledo

O primeiro entrevero da manhã foi entre Envialdo e a vice-presidente da Mesa Diretora, Luzia Toledo (PMDB), que presidia a sessão no momento. Enivaldo pediu a palavra para encaminhar votação e após seu pronunciamento, a peemedebista disse que o deputado estaria justificando o voto já que o item do Expediente já havia sido votado e Enivaldo não concordou.

Os dois discutiram sobre o trâmite e Enivaldo pediu a gravação da sessão para comprovar sua versão. Depois de muita discussão, Luzia reconheceu que o colega estava certo, ao ler as notas taquigráficas.

Envialdo x Ferraço

O presidente da Assembleia também teve um momento polêmico com Enivaldo ao distribuir a vaga da Comissão de Justiça ao deputado recém-empossado Luiz Durão (PDT). Enivaldo questionou a distribuição ao dizer que como suplente, o pedetista não teria direito à vaga. Os dois também discutiram e Enivaldo pediu uma resposta por escrito, porque entendeu que regimento é omisso em relação à distribuição das vagas das comissões.

Enivaldo X Casa Grande

Também sobrou para o secretário-geral da Mesa, Carlos Eduardo Casa Grande. É que na omissão do Regimento, os deputados consultam o servidor para saber as medidas a serem tomadas. E sobre a questão da suplência, como o regimento é omisso, Casa Grande afirmou a Enivaldo que o “costume” é que o suplente assuma a vaga. O deputado não aceitou a justificativa.

Enivaldo X Esmeraldo

O assunto atiçou o também recém-empossado José Esmeraldo (PMDB), que se sentiu ofendido pela crítica de Enivaldo. Ele afirmou que os suplentes têm o mesmo direito dos demais deputados e que sua votação foi superior à de Enivaldo nas eleições de 2014.

Ele foi rebatido por Enivaldo e teve de ouvir que o sistema é de coligação e que Esmeraldo sabia disso quando disputou a eleição. Além disso, ironizou, Enivaldo, “o deputado federal Tiririca (PR) foi eleito com mais de um milhão de votos e não vale uma tiririca”.

Enivaldo X Luiza II

Ainda sobre o tema, a deputada Luzia Toledo, que entrou na Assembleia na suplência do ex-deputado Gilson Amaro (PMDB) e também foi senadora na suplência de José Ignácio Ferreira, questionou o deputado Enivaldo pela crítica. Dessa vez, ele tentou contornar, convidando a deputada a assinar uma emenda ao Regimento da Casa. Destacou que não tem nada contra os suplentes e que se ateve apenas à legalidade.

Enivaldo X Procuradoria

Quase no final da sessão, o deputado voltou a um tema que ele vinha batendo no ano passado. Ele votou contra as indicações de inconstitucionalidade de projetos dos colegas. Ele vem questionando a ingerência da Procuradoria da Casa nas proposições dos deputados.

Envialdo X Vale

Antes do fim da sessão, ainda deu tempo para que o deputado aparteasse o colega Gilsinho Lopes (PR) na defesa do relatório da CPI do Pó Preto da Câmara de Vitória. O deputado afirmou que a Vale deve deixar de ser vista como empresa e passar a ser vista como “bandida”.