Enivaldo dos Anjos mobilizou lideranças para construção de barragens no Norte e Noroeste

1130
Enivaldo dos Anjos a esquerda e Taciano a direita

Atento às necessidades das Regiões Norte e Noroeste do Estado, castigadas pela longa estiagem que se abate sobre o Espírito Santo, a mobilização do deputado estadual Enivaldo dos Anjos (PSD) foi fundamental para a construção de barragens visando ao armazenamento de água para múltiplo uso, que começou por Marilândia e, agora, se estende por todos os municípios.

O deputado fez diversas indicações ao governador Paulo Hartung (PMDB) para essas obras e o Governo do Estado deu ordem de serviço na última quinta-feira (30) para construir mais cinco barragens em Colatina, São Roque do Canaã e Sooretama, com mais de R$ 5,4 milhões de investimentos, lançou editais de licitação para outras sete em Santa Teresa (quatro), Jaguaré (duas) e Baixo Guandu, investindo R$ 12 milhões, e anunciou a contratação de outros sete projetos para Alto Rio Novo, Barra de São Francisco, Ecoporanga, São Roque do Canaã, Vila Pavão e Domingos Martins (Pedra Azul), este com dois projetos.

Quando do lançamento do Programa Estadual de Construção de Barragens, no dia 6 de dezembro do ano passado, o secretário de Estado da Agricultura, Otaciano Neto, fez, pessoalmente, ao deputado o pedido de mobilização de lideranças de todo o Estado, durante audiência entre os dois.

“Naquela ocasião, o secretário pedia nosso apoio por considerar o momento importante para as ações do Estado no enfrentamento aos efeitos da seca e também acho isso, razão de nos empenharmos e lotarmos o Palácio Anchieta de lideranças municipais e estaduais. Os primeiros resultados já estão aí, para atenuar os efeitos da seca em nossa região”, disse Enivaldo dos Anjos.

As cinco primeiras obras contratadas foram para Cupido, Pasto Novo, Santa Júlia, Graça Aranha e Alto Santa Júlia, seguindo-se oito projetos de construção de barragens nos municípios de Alto Rio Novo, Aracruz, Pedro Canário, Barra de São Francisco, Ecoporanga, Domingos Martins, São Roque do Canaã e Vila Pavão.

“O regime de chuvas está irregular e há três anos o Espírito Santo sofre uma das piores estiagens de sua história. As informações são de que a situação tende a piorar. Então, compete aos agentes públicos agirem para reduzir os danos. Chega dessa paisagem de gado morrendo aos milhares no pasto por falta de comida e de água, e de abastecimento ameaçado até para consumo humano”, acentuou Enivaldo, que, anualmente, indica a construção de barragens no Orçamento Geral do Estado.

PROGRAMA

O objetivo do Programa Estadual de Construção de Barragens é armazenar água para garantir a segurança hídrica e a regularidade do abastecimento público, beneficiando vários municípios capixabas.

O governador Paulo Hartung ressaltou que o Estado está construindo barragens com uma concepção de múltiplo uso e é importante o envolvimento de todos para a preservação dos recursos naturais e, principalmente, no uso racional dos recursos hídricos.

“O programa foi criado por causa da emergência e da necessidade, diante da longa estiagem. São diversas fases. Temos um conjunto de intervenções para reservar um quantitativo de água maior e ampliar a segurança hídrica em nosso Estado. Além de construirmos barragens, simplificamos e agilizamos o licenciamento para construção de barragens particulares e observamos que os produtores rurais avançaram exponencialmente”, ponderou Paulo Hartung.

O secretário da Agricultura, Octaciano Neto, apresentou as novas obras, licitações e projetos do Programa Estadual de Construção de Barragens e destacou que o enfrentamento da crise hídrica faz parte do Plano Estratégico da Agricultura Capixaba (PEDEAG 3), que apontou as ações para o setor até 2030.

“Precisamos ampliar no Estado nossa capacidade de lidar com a seca. E o governo trabalha com algumas frentes com a ampliação da cobertura florestal e a capacidade de reservação de água. Serão investidos R$ 60 milhões para a construção de 60 reservatórios até o final de 2018. Isso vai representar uma garantia de abastecimento para a população. Precisamos ampliar a capacidade de lidar com muita chuva, porque a barragem serve para controlar o excesso de chuva e armazenar água para os períodos de seca. Temos obras prontas, obras em andamento, obras sendo licitadas e projetos de engenharia sendo contratados”, disse o secretário.

Duas, das cinco barragens que receberam a ordem de serviço nesta quinta-feira (30), ficarão em São Roque do Canaã: a Barragem Alto Santa Júlia e a Barragem Santa Júlia. Duas ficarão em Sooretama: a Barragem Cupido e a Barragem Pasto Novo. E uma em Colatina: a Barragem Graça Aranha. O prazo de execução das obras será de 180 dias.

As cinco barragens juntas terão capacidade para armazenar 804 milhões de litros de água. Das sete barragens que tiveram os editais de licitação lançados para a contratação de empresa para realizar as obras, quatro ficarão localizadas no município de Santa Teresa: Barragens Itanhanga, Rio Perdido I, Rio Perdido II e Afluente 25 de Julho. Duas ficarão em Jaguaré: Água Limpa e Caximbau.

E uma ficará em Baixo Guandu: a Barragem Bonfim. Estes reservatórios terão a capacidade de armazenar 1,1 bilhão de litros de água.

PROJETOS

Em parceria com a Cesan, a Seag assinou a contratação de sete projetos de engenharia para a implantação de barragens em Alto Rio Novo, Barra de São Francisco, Ecoporanga, São Roque do Canaã, Vila Pavão e Domingos Martins (Pedra Azul). O investimento total dos projetos será de R$ 650 mil.

O Programa Estadual de Construção de Barragens prevê investimentos de R$ 60 milhões, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), para a implantação de 60 reservatórios de água no interior do Estado até 2018.

Do total, 34 serão de usos múltiplos de médio porte no interior do Estado e outras 26 barragens de uso coletivo em assentamentos de trabalhadores rurais capixabas no Norte do Espírito Santo. Estima-se que com a implantação das 60 barragens sejam armazenados 67,2 bilhões de litros de água: o suficiente para abastecer 1,2 milhão de pessoas durante um ano, ou irrigar 22 mil hectares de café. A Barragem Liberdade, em Marilândia, foi primeira a ter a obra concluída dentro do Programa.

Outros cinco reservatórios estão em construção: a Barragem Floresta, em Pancas; duas barragens no assentamento Bela Vista, em Montanha; uma barragem no assentamento 13 de Maio e uma no assentamento 3 Pontões, ambas em Nova Venécia. A previsão é que sejam concluídas no primeiro semestre deste ano.

Também estão sendo executadas as obras de conclusão da barragem de Pinheiros-Boa Esperança, que será a maior do Espírito Santo, com cerca de 270 hectares de área alagada, em uma extensão de aproximadamente 10 quilômetros.

A capacidade de armazenamento da barragem será de 17 bilhões de litros de água, quantidade suficiente para abastecer uma população de 310 mil habitantes por um período de um ano.