Enivaldo dos Anjos desafia presidente da Amages a mostrar contracheque

516
Deputado Enivaldo dos Anjos
Deputado Enivaldo dos Anjos

O deputado Enivaldo dos Anjos usou a tribuna da Assembleia Legislativa (Ales) na manhã desta quarta-feira, dia 07/10/2015, para desafiar o presidente da Associação de Magistrados do Espírito Santo (Amages), juiz Ezequiel Turíbio, a mostrar seu contra-cheque em público e provar que ele não recebe acima do teto salarial permitido no país para o serviço público.

Dos Anjos salientou que Turíbio deu entrevista à imprensa tentando “justificar o lobby” que fez na Assembleia Legislativa no início desta semana, com o intuito de barrar a PEC que regulamenta a concessão do auxílio-moradia a magistrados e promotores.

“Ele insinuou que eu estou pleiteando receber o salário de deputado quando já recebo aposentadoria, o que é bem diferente. Eu sou aposentado da Previdência e tenho direito porque contribui por 35 anos para ter minha aposentadoria. Agora, eu o desafio a apresentar o contracheque dele, provar que ele não recebe muito acima do teto salarial. Aliás, todos do Ministério Público recebem acima do teto”, afirma.

Para Enivaldo, regularizar o pagamento do auxílio-moradia é uma questão de justiça para com o povo capixaba porque a maioria dos juízes tem residência nas comarcas, mas recebem R$ 4.308,00 de auxílio-moradia.

“Em Barra de São Francisco tem três apartamentos construídos pela comunidade para os magistrados, no prédio do fórum e mesmo assim eles recebem o auxílio-moradia. Um juiz de lá preferiu alugar uma kitinet por R$ 500,00 para justificar o auxílio. Quanto o Estado gasta, quanto o Estado joga fora com esse benefício? Basta contar o número de juízes e promotores espalhados pelo Estado e multiplicar por R$ 4.308,00”, argumenta.

Enivaldo disse ainda que o MP vem tentando intimidá-lo, mandando estagiários ligarem para funcionários de seu gabinete chamando para depor, mas não envia convocação oficial. “Eu fui lá e perguntei qual o problema, mas disseram que não tem nada. Não pensem que vão me acuar, sou igual massa de bolo, eu tenho fermento: quanto mais me batem, mais eu cresço”, concluiu.