Enivaldo dos Anjos alerta: “Seca ameaça o futuro do Norte e Noroeste”

1184

seca 1O inverno nem chegou e a seca já voltou a castigar as regiões Norte e Noroeste do Estado de maneira drástica, o que levou o deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) a chamar a atenção do Governo do Estado sobre a situação preocupante de agricultores e pecuaristas. “Os rios e córregos estão secando”, alertou Enivaldo.

O deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) cobrou uma posição mais atuante do governo do Estado. “Qual é a posição do Banestes, Bandes e Secretaria da Agricultura para viabilizar a prorrogação dos empréstimos e um socorro ao quadro que se encontra principalmente no noroeste do Espírito Santo”, questionou. “Precisamos de um estado mais ágil”, disse. “Não dá para olhar para o céu todo dia e esperar a chuva cair”.

De acordo com Enivaldo, em discurso no plenário da Assembleia Legislativa nesta terça-feira (10/05/2016), os municípios de Barra São Francisco, Ecoporanga, Vila pavão, Nova Venécia, São Domingos do Norte, Água Doce do Norte, Águia Branca, São Gabriel da Palha, Pancas, Alto Rio Novo e Mantenópolis são os que mais sofrem “com uma das piores crises hídricas dos últimos anos por causa da falta de chuva”.

Enivaldo enfatizou que o abastecimento de água nas regiões citadas está chegando ao limite e há cidades em que o abastecimento da água é feito apenas durante três horas por dia. “A perda na safra deve chegar a 80% este ano, e no próximo ano deve chegar a quase 100%, se a falta de chuva persistir”, avisa Enivaldo.

“Os produtores rurais ligam para nós, deputados, pedindo apoio e ajuda, mas a secretaria de Agricultura tem de ir à nossa região para ver de perto como está a situação. É preciso reunir com os produtores e discutir os problemas e encontrar soluções”.

O deputado também cobra medidas técnicas para amenizar os efeitos da seca, que compromete o futuro da região. “Isso vai repercutir nos cofres estaduais, porque, com a seca, o Noroeste vai deixar de arrecadar mais de R$ 600 milhões de ICMS”, alerta o deputado.

De acordo com o deputado, a crise longa deixa os produtores agoniados, sem esperança de dias melhores e acabam se endividando ainda mais junto a alguns bancos, “que precisam dar-lhes uma chance, prorrogando os empréstimos”. O parlamentar disse que é preciso criar uma frente parlamentar para discutir a situação.

“A Cesan só usa água para ganhar dinheiro, mas não são capazes de encontrar alternativas para evitar que a população fique sem ela em suas casas para consumo”, disse. “O governo do estado precisa se programar para o ano que vem oferecer alternativas para os produtores, pois se não houver alternativas, vai quebrar as finanças este ano e ano que vem”, conclui Enivaldo dos Anjos.

seca