Enivaldo diz que Contarato foi boicotado pelas “forças do mal” no Detran

907

51Apesar da alegação de tratamento de saúde, a saída do diretor-geral do Detran, delegado Fabiano Contarato, na opinião do deputado estadual Enivaldo dos Anjos (PSD), foi resultado da pressão das forças externas “que não querem uma pessoa de bem como ele naquela posição”. Para o parlamentar, os Detrans de todo o Brasil são órgãos tomados pela corrupção e pela injustiça salarial de seus servidores.

“O delegado Contarato é um exemplar funcionário público, com histórico de correção e honestidade, e deve ter sido sugado pelos vícios negativos e corrupção em torno do Detran, um órgão cuja extinção precisa ser estudada para que se possa eliminar esse emaranhado em que se tornou o sistema, sob pressão e controle de alguns centros de formação, empresas de guinchos, despachantes e empresas de seguro obrigatório de veículos”, disse Enivaldo dos Anjos.

Presidente da CPI do Guincho, que por duas vezes ouviu o diretor do Detran, Enivaldo dos Anjos não vê qualquer co-relação entre esses fatos e a saída de Contarato. “Tanto a CPI quanto o delegado buscam o mesmo objetivo, que é limpar um setor profundamente tomado pela sujeira. Os Detrans brasileiros são fonte de irregularidade e corrupção e ninguém sério consegue dar andamento a nenhum trabalho nesse órgão, em função de que é viciado na origem”, acentuou.

O deputado Enivaldo dos Anjos atacou, diretamente, a estrutura funcional do Detran como “uma porta aberta para a corrupção” dizendo que “é inadmissível que um órgão com uma arrecadação tão grande remunere tão mal seus servidores”. E foi além: “São mais de R$ 400 milhões de arrecadação por ano no Detran do Espírito Santo, que não promove a qualificação e nem a valorização de seus servidores”.

“O salário mais alto no órgão é de R$ 3 mil, e a grande maioria fica em torno de R$ 800. O que esperar de uma entidade como essa? Claro que 70% dos servidores são honestos e fazem o sacrifício pessoal, mas uma minoria mal caráter vai para lá fazer tráfico de influência e se mancomunar com essas máfia dos guinchos, dos centros de formação, dos seguros e dos despachantes, para complementar salário”, disse Enivaldo.

Como exemplo desse quadro de desigualdades, Enivaldo dos Anjos disse que, recentemente, a Assembleia Legislativa aprovou a criação da Ciretran de Santa Maria de Jetibá com seis funcionários com salários de R$ 800,00. “Esse é o pessoal que vai mexer, diretamente, com o usuário, num município cheio de empresas de transportes, que movimentam milhões. O Detran precisa ser, totalmente, reformulado ou extinto.

Não tem Governo que consegue um serviço satisfatório com uma estrutura dessa. A primeira coisa que tem que fazer é criar um Plano de Cargos e Salários e abrir concurso para contratar os servidores. Um órgão com esse faturamento não pode ser tocado em sua absoluta maioria por servidores comissionados”, acentuou.

De acordo com o deputado, “o Detran, proporcionalmente, arrecada mais do que a Secretaria da Fazenda e, no entanto, nenhum funcionário seu, nem mesmo seu Diretor-Geral, tem um salário como o de um auditor fiscal. Como órgão arrecadador, tem que se reestruturar e remunerar dignamente seu quadro de servidores.

Mais de 90% dos cargos são ocupados por comissionados, com salários baixíssimos. Temos que contar com Deus e a honestidade do servidor. Os que são honestos por vocação acabam sufocados num órgão com a história maculada”. Para o deputado, o delegado Fabiano Contarato, apesar da boa vontade, foi sugado e pressionado pelo sistema, até não aguentar mais.

“A máfia não deixa quem é honesto realizar seu trabalho. Contarato, com seu trabalho honesto, foi, claramente, boicotado por forças externas. Eu sempre reconheci aqui na Assembleia que ele tinha intenção positiva, mas que o sistema não permitia que ele trabalhasse, a ponto de sua sempre correta imagem chegar a ser ameaçada, porque ele nada podia fazer”.