Elias Dal’Col: “Ecoporanga vai ser um dos melhores municípios do Espírito Santo”

1678
Elias Dal’Col  ao lado do amigo e deputado Enivaldo dos Anjos
Elias Dal’Col ao lado do amigo e deputado Enivaldo dos Anjos

Faça chuva ou faça sol, o vaqueiro Elias Dal’Col se levanta todos os dias por volta das 4h30 da manhã e se encaminha para o curral, poucos metros acima da sua casa para ordenhar as suas reses, junto com outros trabalhadores da propriedade.

Da varanda da casa ele pode avistar parte da Sede do município de Ecoporanga, que ele já administrou uma vez, entre 2009 e 2012 e irá administrar de novo, a partir de janeiro do ano que vem.

Apelidado de Alemão – apesar de ser de origem italiana – Elias Dal’Col concedeu entrevista ao Notícia Certa na sala de sua casa, quando falou sobre os problemas que enfrentou durante a última eleição e suas propostas de trabalho para o novo mandato, confirmado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE/ES), depois de um pedido de impugnação aceito pela justiça local.

Ele foi eleito com 7.695 votos entre os 15.685 eleitores que compareceram às urnas no dia 2 de outubro. Outros 4.082 optaram por um dos outros cinco candidatos que estavam na disputa; 187 votaram em branco. Restaram 448, que foram os que votaram nulo. Mesmo disputando com cinco seis candidatos de oposição obteve a maioria absoluta dos votos.

Dal’Col conta que veio bem jovem para Ecoporanga e trabalhou duro até conquistar o patrimônio que tem hoje. Foi vereador por três vezes e, em uma delas chegou a exercer a presidência do Legislativo ecoporanguense.

Sem meias palavras, ele ataca os adversários que tentaram, segundo ele, das formas mais rasteiras, tentar barrar o seu segundo mandato e promete reconstruir Ecoporanga e levar o município novamente a um lugar de destaque no Estado.

Gazeta do Norte – Já é o segundo mandato como prefeito e três como vereador. Nesses tempos de crise econômica, crise ética, crise hídrica, política, qual a motivação que o senhor encontra para ser prefeito de uma cidade como Ecoporanga?

Elias Dal’Col – na verdade é o sangue, a política está no sangue, financeiramente eu tomo prejuízo, muito prejuízo com isso, mas eu tenho uma missão a cumprir, que Deus me deu, que é de recuperar Ecoporanga, reconstruir Ecoporanga.

Na primeira vez que assumi eu peguei Ecoporanga um bagaço, em frangalhos, e construí muita coisa, fui um dos melhores prefeitos do Espírito Santo. Fiz uma revolução administrativa e moral no município e hoje vamos encontrar o pior município do Estado, cheio de falcatrua, corrupção, máquinas destruídas, sem nem uma obra…

Por isso que eu candidatei, porque tenho esperança, porque acredito no meu potencial, na equipe que nós vamos formar e acredito também nos governos estadual e federal, nos deputados e senadores. Juntos nós vamos fazer uma corrente grande para tirar Ecoporanga do buraco.

OLHO: “Eu tenho uma missão que é de recuperar Ecoporanga, reconstruir Ecoporanga”

Gazeta do Norte – O senhor enfrentou uma dificuldade grande para assumir esse segundo mandato, teve um trabalho da oposição contra o senhor lá atrás, a Justiça não declarou seus votos válidos, foi preciso recorrer ao TRE/ES para conseguir validar a sua votação…

Elias Dal’Col – Eu quero deixar claro para todos, na eleição em que eu perdi a reeleição para prefeito, fui um dos melhores prefeitos do estado. Eles me caluniaram muito porque não tinham como bater, porque eu peguei uma prefeitura destruída, uma corrupção sem tamanho e mudei tudo, melhorei muito a cidade.

Para se ter uma ideia da corrupção que havia antes: Eles mataram um vereador, por conta de corrupção na saúde, preferiram matar do que deixar abrir uma CPI para apurar as denúncias de corrupção.

Aí, para me derrotar eles falavam que eu não acreditava em Deus, que eu disse que nem Deus me derrotava, que eu não gostava de evangélico, e aí nós perdemos a eleição. Muitas pessoas acreditaram nessas calúnias e nós perdemos a eleição…

Gazeta do Norte – Mas agora a vitória foi inquestionável…

Elias Dal’Col – Agora eles não tinham como repetir as mesmas calúnias, o povo viu que eles estavam errados. Eu estava com 81% de aprovação do meu governo e 74% de intenção de voto. Aí eles lançaram seis candidatos a prefeito com o objetivo de minar minha candidatura, mas não conseguiam. Aí faziam pesquisa falsa, colocavam panfletos na porta das casas na calada na noite com pesquisas falsas dizendo que eu tinha apenas 14% da intenção de votos, que eu não registrava candidatura, que eu não ia aparecer na urna, foram muitas calunias…

Gazeta do Norte – Mas o tiro saiu pela culatra…

Elias Dal’Col – É, porque eu sou um político que não aceita bezerrama, eu não divido o município com ninguém, eu só administro com muita energia, muita garra…

Os vereadores, eles já tem o seu salário, eu não aceito a família deles trabalhando na prefeitura, como quase todos eles colocaram parentes na prefeitura, então você vai arrumando encrenca, depois eu também não dou guarida para ninguém levar vantagem….

Gazeta do Norte – Você comprou uma briga com os vereadores…

Elias Dal’Col – Aí você cria um mal-estar, então esses vereadores, dez vereadores, pensaram, se esse cara ganhar nós vamos rodar de novo, nós vamos perder, então eles reprovaram minhas contas, que foram aprovadas por unanimidade no Tribunal de Contas e o juiz acatou a decisão da Câmara, mas eu recorri ao TRE porque eles queriam que eu mudasse a minha prestação e eu não aceitei.

Eu não fiz nada errado e sabia que a justiça de Deus ia prevalecer sobre o mal, então nós recorremos e ganhamos no TRE. Prova da perseguição é que recentemente o Tribunal de Contas realizou um seminário de orientação em Vitoria com mais de 300 vereadores do estado e um palestrante citou o nosso caso, dizendo que foi uma perseguição política muito grande.

Mas graças a Deus o povo agora reconheceu o nosso trabalho na saúde, na educação, a nossa honestidade e na esperança de Ecoporanga voltar a sorrir, ter educação, ter estrada, ter comunicação social, nós tivemos a maioria absoluta dos votos.

OLHO – “Eu não fiz nada de errado e sabia que a justiça de Deus ia prevalecer sobre o mal”.

Gazeta do Norte – O senhor conseguiu a maioria na Câmara…

Elias Dal’Col – O povo atendeu o nosso pedido e votou nos vereadores da nossa coligação, fizemos sete vereadores.

Gazeta do Norte – E como foi a participação do deputado Enivaldo dos Anjos nesse processo?

Elias Dal’Col – Fundamental. Ele foi o deputado mais votado em Ecoporanga e nunca abandonou o município, sempre esteve com a gente, chegou a oferecer emendas nesse mandato, mas o prefeito atual não quis receber…

Ele foi o braço direito da nossa campanha e da nossa administração e agora já me deu uma ambulância, um carro-pipa, já me deu emendas para calçamento e colocou seu mandato à disposição de Ecoporanga…

Gazeta do Norte – E a transição, o prefeito atual já nomeou a sua equipe?

Elias Dal’Col – Boa pergunta, quando eu perdi ele (o prefeito atual) não aceitou a equipe de transição, eu fiz um ofício para ele, colocando uma equipe à disposição. Coloquei um gabinete, três servidores efetivos e uma sala com computador para fazer a transição, mas ele recusou. E agora, por conta das centenas de denúncias de corrupção, ele não aceitou a equipe de transição…

Gazeta do Norte – E como é que o senhor está lidando com isso, já recorreu à Justiça?

Elias Dal’Col – Ainda não, estamos esperando, mas provavelmente nessa semana iremos recorrer ao juiz.

Gazeta do Norte – E o que o senhor espera encontrar, o senhor já disse que a situação não está bonita…

Elias Dal’Col – Você vai ver as fotos, nem ferro velho está tão ruim quanto as máquinas da prefeitura. Máquinas quebradas por todos os lados, sucateadas, sem ambulância, sem ônibus, o povo está totalmente abandonado. Para você ter uma ideia, nesse ano não foi feita nem uma consulta de preventivo, para fazer exame no hospital o povo tem que pagar, o hospital está praticamente fechado, não tem saúde em Ecoporanga…

Gazeta do Norte – Todos esses problemas, as crises nacionais, essa crise hídrica que se abateu sobre o município… Como é que o senhor está planejando governar?

Elias Dal’Col – A renda de Ecoporanga é leite, café e boi gordo. Essa seca avassaladora matou 70% das pastagens, acabou com a água de Ecoporanga. A esperança que eu tenho é de angariar recursos com os governos estadual e federal, a parceria que eu tenho com os senadores e deputados do Espírito Santo, inclusive eu tenho percorrido as secretarias de estado, o governo abriu as portas das secretarias para que Ecoporanga volte a ter o desenvolvimento, o seu lugar, como teve na nossa gestão anterior.

Gazeta do Norte – Tem alguma novidade para a população?

Elias Dal’Col – Nós tivemos aqui um encontro de metas com o Marcus Vicente (deputado federal), e ganhamos dele dez máquinas de hemodiálise, que para mim vai ser a coisa mais dignificante da minha vida, trazer essas máquinas para acabar com parte do sofrimento desse povo que precisa…

Gazeta do Norte – O senhor já definiu o quadro de secretários que irá ajudá-lo nessa tarefa?

Elias Dal’Col – Já, mas só vamos revelar o nome dos secretários no dia da posse.

Gazeta do Norte – Como é que o senhor espera entregar o município para o próximo prefeito?

Elias Dal’Col – Meu programa de governo foi denominado Unidos para Reconstruir, unidos com os governos federal e estadual nós já estamos e temos o apoio do povo. Eu peguei o município sem dipirona na farmácia, coloquei medicamentos para atender a população e hoje, novamente, nem dipirona tem. Eu já estou fazendo política para os próximos quatro anos, para o povo entender, ver bem para não votar nesses pilantras que quase destruíram Ecoporanga, para termos consciência de não deixarmos o município cair de novo nas mãos deles, não comerem o suor que nós vamos deixar.

Gazeta do Norte – Então, a mensagem que o senhor tem para o povo de Ecoporanga hoje, é de que fará um governo sério e de reconstrução…

Elias Dal’Col – Primeiro é agradecer, pela dedicação, pelo apoio, pela briga, pelas correntes de oração pela nossa saúde e me deram essa energia que eu tenho para defender o povo.

Segundo, vocês podem ter certeza, eu não fiz promessa, nós fizemos compromisso e já estamos cumprindo alguns mesmo antes mesmo de tomar posse. Ecoporanga já começou a receber benefícios, antes mesmo de eu assumir.

Vocês podem ter certeza que nós vamos fazer uma nova revolução administrativa e ética, vamos cortar gastos, só vamos dar posse ao que realmente o município precisa, segurar um dinheiro para não haver atraso no salário dos servidores, para não faltar remédio na farmácia, não faltar médico. O primeiro compromisso nosso é com a saúde.

Gazeta do Norte – Concluindo…

Eu já falei aqui e vou falar de novo, cuidado nas próximas eleições, daqui há dois anos tem eleição para deputado e vou falar, pelo amor de Deus, não votem nesses candidatos pilantras.

Ecoporanga tem uns cabos eleitorais de deputados que pegam dinheiro deles, você vota, ele pega os votos e você nunca mais vê o deputado, o cabo eleitoral fica o dinheiro e o povo fica sem nada.

Eu quero unir a todos, independente de partido, vamos ajudar Ecoporanga a sair desse buraco que está. Daqui há quatro anos tem eleição para prefeito de novo e nós vamos entregar um município bonitinho para que Ecoporanga não caia de novo nas garras desses pilantras, corruptos, que roubam o dinheiro do povo.

Por: Weber Andrade