Dos quatro vereadores francisquense que foram a Brasília, um disse que não pegou diária

1154
esses são os quatro vereador e prefeito em Brasilia
esses são os quatro vereador e prefeito em Brasilia

A ida do prefeito de Barra de São Francisco e mais quatro vereadores na marcha dos prefeitos a Brasília nesta semana rendeu inúmeras especulações no meio político da cidade. Várias pessoas se disse contra a idade de quatro vereadores, sendo que um seria o suficiente na opinião das pessoas, mas teve gente que chegou a dizer que todos os 13 parlamentares deveriam terem ido também.

“Neste momento de crise em que estamos vivendo e o município num caos total, achamos por bem que ninguém fosse a esta viagem, inclusive, o prefeito não deveria ter ido, mas foi, paciência”, disse um vereador.

Uma fonte segura falou com a reportagem deste site, e disse o seguinte: “olha só, o Admilson Brum enviou um oficio para a câmara municipal pedindo a diária, mas da forma certa conforme está no regimento, mas o presidente nem leu em plenário e nem colocou em votação, mas os outros vereadores pegaram a diária e ele não pegou porque está errado da forma como estão fazendo e se ele pega seria conivente com a situação”, disse.

Ao ser questionado quem pagou a idade dele a Brasília, Admilson Brum foi positivo, “tinha recebido no dia 20/05/2015, eu estava com dinheiro”, disse o vereador Admilson. Nossa reportagem questionou ao vereador Admilson Brum qual foi o valor gasto com a viagem a Brasília, mas ele não quis falar sobre valor gasto.

Ao finalizar o vereador disse que diárias sem passar pela presidência e pelos demais parlamentares em plenário é um “vicio”.  Os demais vereadores que foram a Brasília foram Jessui da Cesan, Mulinha e Tiãozinho da Colina, esses, segundo informações receberam diárias. Baseado nos valores de diárias dos vereadores de Barra de São Francisco, acredita-se que os três vereadores devam ter gasto nesta viagem a Brasília aproximadamente uns R$ 5 mil reais.

O presidente da casa, Juvenal Calixto disse que todas as solicitações por escrito pelos vereadores tem seu prazo regimental e analisado pela assessoria jurídica e que nada é feito sem as análises da mesa diretora.

De acordo com alguns seguimentos da sociedade o prefeito e vereadores de Barra de São Francisco perderam a noção de responsabilidade com o município, pois a cidade está vivendo um dos piores momentos dos últimos anos com fornecedores e empresas tentando receber e não conseguem, além de vários funcionários que lutam na justiça para receber seus vencimentos e o prefeito reluta para não pagar.

Por todo município o que se vê é um abandono geral com lixo para todos os lados, entulho, matos, ruas esburacadas e precisando de reparos, além de mosquitos de toda espécie, urubus, cachorros, ratos e uma fedentina terrível, além de obras paralisadas, entre outros. A situação de Barra de São Francisco anda tão caótica que tem até empresários fazendo doações de material para resolver problemas na cidade.

São dois anos e cinco meses em que o município vive uma penúria inacreditável. Para o espanto da população de Barra de São Francisco, o prefeito da cidade em companhia de mais quatro vereadores foi para a marcha dos prefeitos para Brasília. Uma pergunta não quer se calar, qual o motivo para quatro vereadores se deslocarem para Brasília se a marcha é dos prefeitos?

Enquanto tem ex-funcionários lutando para receber, funcionários tendo seus direitos sendo cortados, como é o caso de motorista da área da saúde que tiveram 20 horas extras cortadas, vereadores e prefeito torrando grana em viagem a Brasília.

Não seria mais fácil contar com representantes em Brasília para lutar por Barra de São Francisco? A final de contas tem senadores e deputados federais do Espirito Santo que foram eleitos com votos do município. Os quatro vereadores que foram em Brasília são: Jessui da Cesan, Admilson Brum, Tiãozinho da Colina e Mulinha, além do prefeito. A repercussão sobre a viagem do prefeito e dos vereadores em questão foi grande.

Como o prefeito não é transparente, não responde a quase ninguém sobre pedidos de informações, cabe a sociedade analisar esta questão.