Deputados pedem afastamento de agente campeão de multas em Vitória

1004

412O presidente da CPI da Máfia dos Guinchos da Assembleia Legislativa, deputado Enivaldo dos Anjos (PSD), enviou um ofício nessa semana ao prefeito de Vitória, Luciano Rezende(PPS), pedindo o afastamento do agente de trânsito, Alessandro Victor Rodrigues, que é recordista em remoções de veículos na Capital.

No documento, o parlamentar faz referência ao depoimento do servidor público, que declarou não respeitar às normas do município sobre o tema por considerá-la ilegal.

Enivaldo pediu que o agente seja afastado de suas funções até a conclusão dos trabalhos da CPI.

Durante o seu depoimento prestado na última segunda-feira (1), Alessandro Rodrigues afirmou que conduz seu trabalho com base no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), apesar da existência de municipal que impede a remoção dos veículos nos casos menos graves de infrações ao estacionamento rotativo de Vitória.

“A portaria não tem eficácia, não cumpro porque considero o decreto ilegal. Por isso que sigo o CTB”, disse o agente, que sofreu a repreensão do promotor de Justiça, Fábio Langa Dias, que anunciou a abertura de um procedimento para apurar eventuais atos de improbidade por parte do servidor público. Segundo dados da prefeitura, o agente de trânsito foi responsável pela remoção de 1775 veículos no período entre o início de 2011 e abril deste ano.

Alessandro Rodrigues se defende, afirmando que o total de infrações apresentadas não pode ser atribuído somente a ele, já que ele chefiava a equipe de remoções, sendo responsável pela assinatura de todas as infrações autuadas pela Guarda na região.

Na mesma sessão da CPI, foram ouvidos o 2º e 3º lugares no “ranking”, os agentes Flávio Escobar Furtado e Bruno Bertolo Ribeiro, que afirmaram conhecer e atuar conforme a norma municipal. Antes disso, a comissão já tinha ouvido o secretário municipal de Segurança Urbana, Fronzio Calheira Mota, que compareceu no ligar do prefeito e apresentou argumentos para tentar justificar o grande volume de apreensões de veículos.

Segundo ele, os agentes estariam tentando discutir questões trabalhistas com uma espécie de “Operação Padrão”, que consiste em exercer a penalidade máxima aos motoristas para desgastar o poder público junto à população. Segundo o artigo 3º do Decreto 16.236, o usuário que estacionar de modo irregular será notificado e terá prazo de 48 horas para regularização, pagando um valor correspondente ao uso de um dia inteiro de rotativo.

Esgotado o prazo, a notificação será convertida em multa. A notificação é expressa com a emissão do Aviso de Irregularidade pelo funcionário da concessionária do rotativo, com a presença de um agente de trânsito municipal.

A CPI da Máfia dos Guinchos foi instaurada para apurar uma suposta máfia por trás dos serviços de guincho num suposto conluio entre autoridades de trânsito, empresas rebocadoras de veículos e donos de pátios credenciados pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-ES).

Em decorrência do grande volume de denúncias, os deputados também passaram a investigar supostos abusos cometidos por guardas de trânsito em Vitória. Além de Enivaldo, a comissão é formada pelos deputados: Marcelo Santos (PMDB), vice-presidente; Janete de Sá (PMN), relatora; além dos membros efetivos, Marcos Bruno (PRTB) e Raquel Lessa (SD).