Deputado cobra atitude do prefeito de Vitória contra guinchos

1000

Enivaldo garante: “Se eu fosse prefeito de Vitória, parava esses caras nem que fosse no tapa”

09090“A questão da máfia do guincho em Vitória, que é municipalizada e bancada pela Prefeitura, deveria receber atenção especial do prefeito da capital, mas, mesmo com tantas denúncias, o que a Guarda Municipal está fazendo é aumentar sua voracidade. Se o prefeito Luciano Rezende está permitindo isso, é preciso que ele tome providências senão ele vai ser arrastado junto com essa máfia. Eleitoralmente, ele vai se dar mal com isso”.

O alerta foi feito da tribuna da Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Enivaldo dos Anjos (PSD), na semana que antecede a esperada presença do prefeito Luciano Rezende para depor na CPI do Guincho, prevista para a próxima segunda-feira (25), às 11 horas. O deputado, que preside a Comissão, disse que os guardas municipais não querem saber do direito do cidadão e nem se no local existe sinalização adequada:

“Como quem pretende ser candidato à reeleição permite uma situação como essa? Em Vila Velha, onde o prefeito é um delegado da Polícia Federal, se o carro está sem o comprovante do rotativo, recebe uma multa administrativa e vai pagar na Prefeitura. Já aqui em Vitória, estão saindo na rua para levantar carro. Isso foi anunciado pela Guarda Municipal. Saiu no jornal eles ameaçando e no dia seguinte fizeram mesmo”.

Enivaldo dos Anjos foi ainda mais duro: “O Estado do Espírito Santo está entregue a bandidos, a quadrilhas de pessoas que querem se beneficiar financeiramente desmoralizando as autoridades. Se eu fosse prefeito de Vitória, eu duvido que aconteceria isso. Eu parava esses caras nem que fosse no tapa, mas eles não faziam isso. Estão abusando de autoridade”.

O parlamentar conclamou a população a reagir: “Estamos num Estado onde se está permitindo o abuso de poder dessas empresas, que, através de concessão, e nem é de licitação, passam a ter o poder de fiscalização e de dominar a população da maneira como temos visto. Acho que a população de Vitória, que tem nível intelectual elevado, não deveria aceitar isso. Deveria fazer uma manifestação no sentido de fazer que essas coisas passem a ser pauta obrigatória de solução. Ninguém pode se conformar com esse abuso”.

E acentuou que “é como se fosse uma terra sem lei, os próprios guardas vão para a imprensa ameaçando apreender tantos carros na Grande Vitória e os telejornais mostraram que eles cumpriram”. E questionou: “Quem é que está com medo? Quem tem medo dessa quadrilha? Quem tem medo desse guincho? Por que as autoridades não tomam providência? Alguma coisa está por trás disso”.