CPI vai devassar atuação da Máfia do Guincho em Colatina

1396

 

Vereador Mário Pinto de Colatina, entrega documentação a Enivaldo dos Anjos
Vereador Mário Pinto, de Colatina, entrega documentação a Enivaldo dos Anjos

O deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) vai propor, na volta do recesso parlamentar, que a CPI do Guincho realize uma sessão extraordinária em Colatina, no Norte do Estado, onde há indícios de conluio do poder púbico, seja institucionalmente, seja por meio de agentes atuando isoladamente, com o esquema de exploração de estacionamento rotativo e de serviços de guincho e estacionamento de veículos apreendidos em operações de trânsito.

A extensão do esquema dos guinchos para Colatina, maior cidade do Noroeste do Estado, ganhou repercussão nos últimos dois dias na Assembleia Legislativa, depois que Enivaldo dos Anjos, presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito que apura o tema, recebeu denúncias de irregularidades e discursou na sessão de terça-feira (14).

Vários deputados repercutiram o assunto na última sessão ordinária antes do recesso e um pacote de documentos foram entregues ao presidente da CPI, no início da tarde, pelo vereador Mário Pinto, de Colatina. O parlamentar disse que um empresário da cidade fez-lhe a denúncia de ter sido vítima da “máfia do guincho” e fazendo uma série de ligações entre agentes públicos e o esquema que envolve desde o estacionamento rotativo até o recolhimento de veículos pela Polícia Militar.

“Na primeira sessão da CPI, depois do recesso, teremos aqui o depoimento de um empresário daquela cidade com graves denúncias contra o esquema dos guinchos. De antemão, podemos adiantar que a empresa de estacionamento e guincho atua na cidade em conluio com agentes públicos de todos os escalões. O estacionamento rotativo de Colatina, que antigamente cumpria função social, sendo operado pela Camcol, que amparava adolescentes da cidade, agora virou negócio privado”, disse o deputado.

O estacionamento é operado pela empresa Facom, que, de acordo com a documentação entregue ontem a Enivaldo dos Anjos, fica com 90% do valor arrecadado. Os documentos mostraram que o sistema de controle é precário, a cobrança é feita por tíquetes de papel vendidos em locais não sinalizados. De acordo com o vereador Mário Pinto, “isso é para gerar atraso na colocação do tíquete e aplicação de multas e guinchamento dos carros”.

Enivaldo dos Anjos disse que a CPI vai apurar a denúncia de que a empresa que explora o rotativo de Colatina pertence “a um policial político da cidade”. Já a empresa de guincho e pátio de recolhimento dos veículos, a CPI também vai apurar, pertenceria a “dois oficiais da ativa da Polícia Militar”.

“Ou seja, a se comprovarem estes fatos, isto é, ou não é uma atuação mafiosa? Depois reclamam quando o Padre Edson chamou esse esquema de quadrilha. E para piorar, a empresa de guincho, a Guardauto, tinha o pátio de estacionamento do bairro Colúmbia, que fica no perímetro urbano, e mudou-se para Boapaba, na zona rural, a mais de 30 quilômetros da cidade. Lá não pega telefone nem celular e a empresa faz questão de dificultar a vida dos cidadãos para faturar com as famigeradas diárias”, disse Enivaldo dos Anjos.

Para o presidente da CPI do Guincho, “Colatina está precisando sofrer uma devassa”, e acrescentou: “Nós queremos saber quem está envolvido com isso. Se for preciso, a CPI do Guincho vai fazer uma sessão especial em Colatina para acabar com essa quadrilha. Queremos saber se o prefeito da cidade está em conluio também com essa máfia”.

Apesar do recesso parlamentar, Enivaldo dos Anjos disse que a atuação da CPI do Guincho vai continuar: “Nossa equipe estará atenta e vamos juntar aos autos da CPI todas as denúncias que nos chegarem. Quero aqui reforçar para que a população fique alerta. Mande todas as suas denúncias pelo nosso e-mail: [email protected], porque vamos colocar um fim, definitivamente, a essa Máfia do Guincho do Espírito Santo”.

DSC02887