CPI da Sonegação cria canal de denúncias para a sociedade

1232

870

A CPI da Sonegação de Tributos também criou um canal na internet para que o contribuinte capixaba possa levar ao conhecimento dos deputados casos de sonegação de impostos no Espírito Santo, a exemplo do que já acontece na CPI dos Guinchos, que tem recebido contribuições através de um endereço eletrônico.

A partir das informações que chegarem, os parlamentares avaliarão sua relevância à luz dos objetivos de criação da CPI e elas poderão resultar em convocações de depoentes e investigações. Segundo o deputado Enivaldo dos Anjos, que preside as duas comissões, estão chegando muitas informações soltas para a CPI da Sonegação e é necessário unifica-las.

“O tema é relevante e de alto interesse para a sociedade, por isso criamos esse canal. Todo mundo que souber de ações de sonegação pode mandar para a CPI porque cada denúncia será verificada. É importante observar que sonegação é crime contra a ordem tributária e prejudica a capacidade do Estado de investir em itens essenciais, como saúde, educação, segurança, habitação e programas sociais. Por isso, para mim, sonegar impostos está na mesma altura de crimes hediondos, porque mata as pessoas nas filas dos hospitais, na falta de segurança, de educação”, disse o deputado estadual Enivaldo dos Anjos (PSD), presidente da CPI da Sonegação.

O canal para o cidadão se comunicar com os parlamentares da CPI é o email- somoscontrasongacao@gmail.com  e Enivaldo espera, com isso, possibilitar maior participação da sociedade nos trabalhos da Comissão, que se reúne, regularmente, às terças-feiras, às 9 horas, mas ele admite convocar reuniões extraordinárias ou mesmo passar a reunir os parlamentares duas vezes por semana.

Com prazo de funcionamento inicial estabelecido em 90 dias, a CPI da Sonegação já pediu e teve aprovada pelo plenário da Assembleia Legislativa a prorrogação de seus trabalhos por mais 90 dias, devendo se estender até agosto, quando deverá ser apresentado um relatório pelos deputados, através do relator, deputado Cacau Lorenzoni.

Na terça-feira (19/05/2015), a CPI da Sonegação, composta ainda pelos deputados Guerino Zanon e Pastor Mansur, convocou para depor o advogado Beline Salles Ramos devido à informação levada aos deputados pelo juiz aposentado Antonio Leopoldo de que Beline e o ex-senador Xyko Pneus teriam um esquema de venda de liminares em todo o País para facilitar a sonegação de impostos pela indústria de cerveja.