Comércio de Barra de São Francisco considera 2016 um ano perdido

1185

Mesmo realizando o sorteio de duas motocicletas no final do ano, o empresário Ademilton Nogueira, do Supermercado Nogueira, tem pouco a comemorar com relação ao ano de 2016. Aliás, essa é a opinião de dez em dez comerciantes entrevistados pelo jornal Notícia Certa.

“As vendas cresceram apenas 1,12%, ou seja, bem abaixo da inflação”, lamenta ele, classificando 2016 como um ano perdido para a economia francisquense. “O desemprego está tomando conta da cidade, hoje temos mais de mil desempregados no município, o que representa um prejuízo enorme para toda a cadeia produtiva” analisa.

Para Nogueira, a crise é nacional, mas também um viés local que compromete a renda do francisquense. Sem criticar diretamente as administrações anteriores, ele salienta que o pagamento dos servidores em dia é um dos fatores que prejudicam o comércio da cidade e lembra que até o setor de rochas ornamentais vem atrasando pagamentos diante da crise.

“Os governos não podem errar mais. Sabemos que o prefeito atual não tem muito a fazer para estimular a economia, mas terá que tomar medidas sérias para organizar a casa e promover geração de renda”, analisa ele.

A gerente do Supermercado dos Tênis, Josiene Inácio Carneiro, também considera que 2016 foi um ano perdido para o comércio. “Em 2016 as vendas caíram muito em relação a 2015. As quedas vinham acontecendo mensalmente e nem mesmo em dezembro tivemos uma melhora, na comparação com o mesmo mês de 2015”, observou ela.

“Graças a Deus, neste início de 2017 estamos observando uma recuperação nas vendas, talvez por causas das promoções. Esperamos que a situação continue melhorando esse ano”, desejou. A gerente do Lojão do 9, Maria da Penha Andrade Vaz, também disse que o ano passado deixou muito a desejar em termos de vendas.

“Creio que conseguimos empatar com o ano anterior, ou seja, no final tivemos prejuízo, porque os preços das mercadorias subiram, os impostos aumentaram e nós não conseguimos nem bater a inflação. O ideal é crescermos pelo menos 10% ao ano”, disse. Na tentativa de recuperar as vendas, Maria da Penha está sorteando uma bicicleta de marcha para os compradores de material escolar.

“É uma forma de tentarmos recuperarmos as vendas, já que neste ano que passou nós mal conseguimos pagar as contas da empresa”, concluiu.

Fonte: Jornal Noticia Certa