Com 80% dos imóveis irregulares em Ecoporanga, o município acaba perdendo em arrecadação

480
Prédio da prefeitura de Ecoporanga
Prédio da prefeitura de Ecoporanga

Os ecoporanguenses comemoraram a inauguração da Agência da Caixa Econômica Federal em Ecoporanga, certamente com muitas razões. Foi inaugurada, inclusive, na administração do ex-Prefeito Elias Dal´Col no ano de 2012.

A Caixa é uma Instituição que tem suas operações mais focadas nas operações imobiliárias, financiamentos habitacionais. O sucesso desta Agência poderia ser melhor, se os nossos administradores tivessem visão voltada para o desenvolvimento local.

Vejo com tristeza o descaso com a regularização imobiliária de nossa cidade, podemos afirmar que aproximadamente mais de 80% dos imóveis são irregulares, isso quer dizer que os imóveis não são registrados no Cartório de Registro de Imóveis de Ecoporanga, embora sendo imóveis urbanos continuam como sendo imóveis rurais.

Todos sabemos que para conseguir um financiamento de um imóvel junto a caixa é necessário a Certidão expedida pelo Cartório do Registro de Imóveis, com os dados apresentados podemos imaginar o quanto de operações deixam de serem realizadas.

Os nossos representantes precisam dar prioridade as ações que realmente desenvolvem o município, no caso das regularizações dos imóveis urbanos, o município passaria a arrecadar mais IPTU, a população ficaria mais satisfeita, pois, receberia uma escritura registrada, podendo ainda o munícipio receber recursos do Ministério das Cidades e do Governo Estadual.

O que estamos assistindo em Ecoporanga é a conivência dos administradores com o surgimento de loteamentos sem o cumprimento da legislação de parcelamento do solo. Onde está o nosso Plano Diretor Urbano (PDU) que é determinado pelo Estatuto da Cidade?

Vamos dar um basta nesta situação, iniciando com uma Audiência com todas as entidades organizadas de Ecoporanga, com a participação do Ministério Público e os nossos representantes, para buscarmos uma solução junto ao Prefeito Municipal.

Por: Izaías Ramos Neto