Colatina registra o maior índice de chuva no ES em um dia

295

A Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil informou que em 24 horas choveu 101,65 milímetros em Colatina, o maior índice registrado no Estado de terça-feira para quarta-feira (23).

De acordo com a Prefeitura de Colatina, há um gabinete de crise implantado para tratar de situações como essa e uma das medidas é deixar de prontidão escolas e hotéis, para se necessário, receber desabrigados, assim como máquinas para ajudar na desobstrução de estradas.

Para diminuir as chances de uma catástrofe existe um serviço de observação em 9 pontos de monitoramento do índice pluviométrico. Estes aparelhos estão espalhados por diversos bairros do município. Destes 6 aparelhos são automáticos e 3 semi-automáticos.

 O monitor automático mede a quantidade de chuva; com isso acontece a análise de risco em tempo real, dando condições aos órgãos governamentais de se mobilizarem e evitar maiores problemas, principalmente nos locais mais críticos do município fazendo uma evacuação rápida. As preocupações aumentam quando a quantidade de chuvas se eleva e com isso os riscos de acidente ou até mesmo de uma catástrofe se acentuam.

Os índices que trazem preocupações são quando chove em 1 hora 40 milímetros, em 4 horas 60 milímetros, e em 24 horas 100 milímetros. Com as chuvas, atingindo esses números, a probabilidade de problemas aumentam significativamente.

As áreas de risco suscetíveis a deslizamento de massa em Colatina são:

Bairro Nossa Senhora Aparecida – 3 pontos críticos: nas ruas Cláudio Saquetto, Fioravante Rossi,

Bairro Riviera – 5 pontos críticos: rua Vitório Cosme.

Bairro Santa Margarida – 1 ponto crítico: rua Cantinho do Céu,

Vila Lenira – 5 pontos críticos: Avenida Presidente Kennedy, António Fausto.

Baunilha – 3 pontos críticos: rua Vila Juquita. rua José Lima, Fernando Brotas.

– Bairro Por do Sol – 3 pontos críticos: Ruas Florisvaldo Caetano, Mestre Eugênio, João de Souza.

– Bairro Vista da Serra – 2 pontos críticos: Ruas Matilde G. Comério (2).

– Bairro Residencial Nobre – 2 pontos críticos: Ruas 19 de Abril, Odilon Castelo Borges.

– Bairro Fioravante Marino – 3 pontos críticos: Rua Emilson Coutinho..

– Bairro Carlos Germano Nuamann – 2 pontos críticos: Rodovia do Café e a Rua Hilda Chicosky.

– Bairro Santo António – 6 pontos críticos: Ruas Maria de Oliveira Vidigal, José Antonio Ramos, Henrique Belletable, Avenida Sílvio Avidos (2),

Bairro São Morcos e Novo Horizonte – 8 pontos críticos: Ruas Baixo Guandu, Anchieta, Cariacica, Guaçui, Joel Feitosa, Ambiental,Rua Alfredo , Tereza Chaves, Dalla Bertollo.

– Bairro São Pedro – 7 pontos críticos: Ruas Rio Branco, Cosme e Damião, Travessa Rio Branco, Mal. Rondon, Luiz Maranhão, Av. Silvio Avidos (2).

– Bairros Alto São Vicente e Santa Cicília – 10 pontos críticos: Ruas Abel Gonçalves, Galiléia, Floreal Martins, Manoel

Antunes Moreira, Angelo Stelzer, Ricardo Zon ,Filadélfia.

– Bairro Alto Vila Nova – 3 pontos críticos: Ruas João da Mata, Adwalter Ribeiro Soares (2), Fernando Antonio Gomes, Angelo Polcheira.

– Bairro Santa Mônica – 1 ponto crítico: Rua Maria Carolina Martins.

– Bairro Operários – 2 pontos críticos: Escadaria Reinaldo Giuberti (2).

Bairro Maria Ismênia – 1 ponto crítico: Rua Professor Aloísio.

Fonte: folhavitoria