Câmara dos Deputados vai acompanhar caso de detento morto no CDP de Colatina

1449

435A Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Câmara dos Deputados pediu informações ao Estado sobre a morte de Wesley Belz Guidoni, ocorrida no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Colatina, no noroeste do Estado, em 14 de janeiro deste ano.

O colegiado instaurou procedimento para acompanhar as denúncias de tortura seguida de homicídio que culminou na morte de Wesley. O presidente da CDH, o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), encaminhou ofícios ao Ministério Público Estadual – à Procuradoria Geral de Justiça (PGJ) e ao promotor-chefe da Promotoria de Justiça de Colatina – e à Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) requerendo informações acerca das providências adotadas ara a apuração do caso e punição dos culpados.

Wesley havia sido preso quatro dias antes da morte por desacato, resistência à prisão e danos. Durante os quatro dias em que ficou preso, foi levado duas vezes ao Hospital Sílvio Avidos, no mesmo município, por estar passando mal.

Ele foi encontrado morto na cela, em que estava sozinho. No entanto, o Serviço Médico Legal (SML) do município constatou que havia marcas compatíveis com espancamento no corpo de Wesley, além do pescoço quebrado.

Na ocasião da morte de Wesley, a mãe dele, Necilda Simoura Belz, declarou à imprensa que o filho tinha problemas psicológicos e era alcoólatra, tinha arritmia cardíaca e pressão alta. Ela ressaltou que ele não havia se envolvido com drogas, ou tráfico.