Associação do Paulista é o embrião do projeto de geração de renda elaborado pelo PSD

515

Com emenda parlamentar do deputado estadual Enivaldo dos Anjos (PSD), a Associação de Produtores do Córrego Barro Preto, em Vila Paulista, recebeu do Governo do Estado os recursos do convênio de R$ 50 mil e já investiu o dinheiro na aquisição de 12 máquinas de costura para instalar, logo depois que passar a fase crítica da pandemia de Covid-19, a primeira unidade do projeto de geração de renda elaborado pelo PSD de Barra de São Francisco.

A oficina de costura do distrito, segundo o presidente do partido no município, Elcimar Alves, é o embrião do que a legenda pretende implementar em Barra de São Francisco, se seu projeto de conquista da prefeitura for bem-sucedido nas eleições municipais de novembro. O pré-candidato do PSD é o deputado Enivaldo dos Anjos, numa frente que já reúne também PTB, PSDB e Republicanos.

“Estou abraçando essa ideia do partido e vamos criar unidades produtivas como essa em todos os distritos. Vamos buscar parcerias para treinar as costureiras e capacitar o pessoal de apoio também. Será um projeto integrado e buscaremos o Sebrae e o Senai para nos ajudarem com isso. Queremos formar uma grande cooperativa no município para garantir o mercado para a produção. Nossa intenção, com isso, é implantar a indústria de confecção em Barra de São Francisco”, disse Enivaldo.

EXPECTATIVA

A celebração do convênio foi pedida ao deputado Enivaldo pelo vereador Ademar Antonio Vieira (PSD), o Alemão do Paulista, atendendo a um pedido da própria comunidade. O presidente da Associação do Barro Preto, Geraldo do Carmo Apolinário, agradeceu ao deputado pelos recursos encaminhados e disse que as máquinas já foram compradas.
“Agora, é só passar esse problema de pandemia pra gente colocar a oficina para funcionar. Será de grande utilidade para a comunidade e vai melhorar muito as rendas das famílias, porque são 12 máquinas. Vamos avançar no projeto de treinar o pessoal”, disse Geraldo.
O vice-presidente da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), Paulo Roberto Vieira, que também preside o Sindicato da Indústria do Vestuário de Colatina (Sinvesco), elogiou o projeto do PSD de criar pequenos polos de produção de confecções em Barra de São Francisco e colocou tanto a Findes quanto o Sinvesco à disposição para contribuir com a ideia.

“Atualmente, o setor está parado, por causa da pandemia, mas creio que no próximo ano voltará com força total. O setor de confecções gera hoje 13 mil empregos diretos, com carteira assinada no Espírito Santo, e com essa pandemia fizemos um consórcio entre 40 indústrias para suprir o mercado de Equipamentos de Proteção Individual, como máscaras e aventais, para proteger as pessoas. Estamos vendendo para todo o Brasil. O que o pessoal de Barra de São Francisco está fazendo é inovar, como nós fizemos na pandemia”, disse Paulo Vieira.

De acordo com o empresário, existe hoje um grande movimento em todo o Brasil para que as pessoas se associem para a produção coletiva, porque roupa é um bem que todas as pessoas precisam. “Uma pessoa que trabalhe numa pequena oficina dessa, nas associações, tira no mínimo 1.200 reais por mês, ajudando em muito a renda familiar. O Sebrae, o Senai e o Sinvesco podem ajudar muito no projeto”, completou Vieira.