Apitaço pede paz no trânsito e protesta contra morte de criança em Colatina

788

04Mais de 160 pessoas se reuniram na manhã de ontem para protestar contra a morte do garoto Dário Luiz Salvador Neto, 2 anos atropelado por um motociclista na faixa de pedestre no centro de Colatina.

Pneus queimados em cima da faixa de segurança onde o menino morreu paralisou o trânsito por cerca de três horas na Avenida Beira Rio, um dos principais acessos ao centro de Colatina, no noroeste do Espírito Santo.

Flores e a foto de Dário Neto enfeitada com um carrinho de brinquedo dele emocionou quem passavam pela local. Dário Neto estava no carrinho de bebê guiado pela babá quando foi atingido pelo motociclista Wellington Patrik Bell de Andrade, 20 anos. Ele foi preso em flagrante pela Polícia Militar acusado de homicídio culposo – sem intenção de matar.

O acidente aconteceu por volta das 21hs da última quinta-feira, 17. Estarrecida ao ver a cena, avó materna da criança a vendedora Sílvia Gimenes, 45 anos não conteve o choro ao lembrar do netinho que esbanjava alegria e sorriso cativante. “Tiraram meu neto neste trânsito criminoso.

Ele não volta mais. A cor dele era o azul. Adora brincar comigo no pula-pula. É muito grande a dor que nossa família está sentindo”, disse a avó Sílvia. “Estou com o coração partido. As autoridades nada fazem para conter a violência no trânsito”, repetiu.

Mesmo sob vigilância da Polícia Militar, motoristas e motociclistas ‘furaram’ o bloqueio de fogo dos pneus em cima da faixa de pedestres na Avenida Beira Rio. Um apitaço marcou a manifestação contra morte do menino ao percorrer as ruas do centro.

Com faixas, cartazes e fotos do pequeno na camiseta, os manifestantes se concentraram na Praça Belmiro Teixeira Pimenta, a praça municipal no coração da cidade. O oficial de Justiça Roque Lavangnolli, 55 anos diz que o pequeno Dário foi um ‘mártir do trânsito’. “O momento deve servir para fortalecer o movimento para exigir que trânsito seja mais humano”, disse.

Rezar pelo acusado para que possa refletir pelo seu erro foi um dos pedidos dos manifestantes ao fazerem a oração pela alma do garoto. O delegado Édson Félix que investiga o delito revela que as evidências e depoimentos das testemunhas podem mudar o rumo do inquérito e o motoqueiro responder em por homicídio doloso quando há intenção de matar

Outro Lado

A Seção de Trânsito da Polícia Militar de Colatina divulga que pelo menos 300 multas foram aplicadas por avanço da faixa de pedestres em 2015, além de realizar blitz educativas para conscientizar os motoristas a zelar pelo pedestre.

Fonte: Nilo Tardin