22 anos após adoção, mãe procura filha em Água Doce do Norte

766
Como se encontra dona Lucy hoje com 39 anos.

Preste muita atenção na história que vamos contar, porque você poderá ser parte importante do desfecho desse caso que se Deus quiser terminará com um final feliz.

Dona Lucinete Gomes da Silva, mais conhecida como Lucy, foi casada e criada com ciganos, aos 12 anos de idade ela gerou sua primeira filha, Rayane Silva Santos, aos 14 anos teve um menino e aos 16 anos engravidou pela última vez de outra filha, que no momento chamaremos de “Débora”.

Lucy foi casada com um cigano que não iremos citar o nome, e desde que ela engravidou de Rayane ele ordenou que a menina fosse doada para um casal de Ecoporanga, ficando apenas com o menino que nasceria 2 anos mais tarde.

Os ciganos estavam acampados no distrito de Rio Preto, em Água Doce do Norte, quando aos 17 anos, prestes a gerar sua última filha, dona Lucy temia que não pudesse cuidar da criança, repetindo o fato ocorrido com Rayane 7 anos atrás, e o caso se consumou, pois, o marido ordenou que ela doasse a menina para uma mulher que se mostrou muito interessada na criança naquela época.

De acordo com dona Lucy, uma enfermeira do posto de saúde do Rio Preto na época acompanhou todo processo de adoção, o nome dessa enfermeira iremos preservar por enquanto até que tenhamos resultados positivos sobre o caso, na ocasião o parto da criança foi realizado na cidade de Mantena – MG, por um médico chamado Dr. Carlos, logo em seguida o pai da menina ordenou que dona Lucy liberasse a filha para adoção.

Dona Lucy disse que implorou para que o marido deixasse ela criar sua filha, mas ele foi extremamente rígido ao dizer que ela poderia até criar a criança, porém longe dele e do filho que o casal tinha na época, pois ela deveria sumir da presença deles. Com 17 anos, sem familiares por perto e com uma criança recém-nascida nos braços, dona Lucy não teve outra escolha que não fosse assinar todos os papéis liberando a adoção da filha.

Quando assinou os papéis da adoção, dona Lucy afirma que uma mulher havia ficado responsável por cuidar de sua filha com todo amor e carinho, pois ela não tinha filhos e seria a grande oportunidade de realizar o sonho de ser mãe, diante da situação o coração de mãe se sensibilizou e acabou concordando que a filha fosse adotada por essa mulher.

A criança nasceu no dia 02 de novembro de 1998, o registro aconteceu poucos dias depois em um cartório do Rio Preto, no momento estavam dona Lucy com seu marido da época, a enfermeira do posto de saúde e o escrivão responsável por preencher toda documentação.

Entramos em contato com o escrivão da época, que gentilmente nos atendeu, ele nos disse que lembra vagamente da situação, mas que não sabe revelar detalhes do registro realizado, devido a grande quantidade de pessoas que atendeu durante um longo período de serviços prestados, afinal fazem 21 anos que o fato aconteceu, impossível lembrar de tudo. Porém ele confirmou lembrar perfeitamente da presença da ex-enfermeira ao lado do casal na hora de assinar os papéis da adoção.

Dona Lucy, conseguiu encontrar a filha Rayane no ano de 2016, hoje elas trocam mensagens e são grandes amigas. No entanto o desejo de encontrar a filha caçula faz com que dona Lucy não pare de acreditar nessa possibilidade.

Em uma conversa com o ex marido a alguns anos atrás, dona Lucy disse que exigiu dele notícias da filha, na ocasião ele disse a ela, que poderia ficar tranquila, pois a menina estava morando no Rio Preto e que o nome dela era Débora.

A partir deste momento, a esperança de encontrar sua filha então ressurgiu novamente, porém não é possível saber se o ex marido falou a verdade, afinal de contas no Rio Preto não conseguimos localizar nenhuma mulher nascida no ano de 1998 com o nome de Débora.

Quanto a pista da suposta mulher que poderia ter adotado a criança, confirmamos que a mulher faleceu a quase 15 anos, e que deixou 2 filhos homens e uma filha que hoje se encontra com mais de 30 anos de idade.

De acordo com pessoas do distrito, essa criança nunca esteve em posse dessa mulher, ou seja, dona Lucy pode está confundindo essa pessoa, ou essa mulher pode ter passado a criança para terceiros, é um fato que talvez somente a ex-enfermeira da época possa ajudar a desvendar.

A ex-enfermeira que trabalhava no posto de saúde não conseguiu ser localizada pela família até o momento, mas o site Portal ADN teve informações que ela continua morando na mesma residência da época em que o caso aconteceu, porém nos resguardamos no direito de deixar que a família de dona Lucy faça os primeiros contatos em busca de informações concretas.

Enquanto isso, o que se sabe é a data de nascimento da menina (02/11/1998), um possível nome de Débora que não pode ser confirmado, e a possibilidade dela ser registrada no nome da senhora Lucinete Gomes da Silva.

Acredita-se que a ex-enfermeira possa ter informações mais concretas que ajude dona Lucy a descobrir o paradeiro da filha, mas este caso infelizmente está mais difícil do que parece, porque a filha de dona Lucy talvez nem imagine que possua uma outra mãe biológica de verdade, afinal ninguém garante que ela tenha sido informada que foi adotada na infância.

Seguiremos na torcida para que alguma informação seja descoberta nos próximos dias que possam ajudar essa família biológica a se encontrar depois de tanto tempo separados, e se você tiver qualquer informação que ajude a dona Lucy, pedimos que entre em contato com o telefone: 27 9.9722-8408 (falar com Rayane), ou caso prefira, ligue para a Polícia Militar e relate sua versão para que sua identidade seja mantida em absoluto sigilo.

Fonte: portaladn