Relato de Santos Simões sobre a zona litigiosa, entre Barra de São Francisco e Mantena

785
Mantena-MG

Simões– Bom dia Edvaldo. É uma verdade esquecida mesmo. Nasci e morei na minha infância ali no córrego da Penha, pertinho de onde mora até hoje o mano José Simões, que tem hoje 92 anos. Papai, o velho Simões como era chamado ao final da sua vida, levava a família para as atividades na Igreja Católica, onde tinha uma quermesse no mês de maio, com leilões, barraquinha de pescaria, coelhinho e outras atividades naquela época, e passávamos no meio de soldados capixabas entrincheirados em prontidão, prontos para o combate e espalhados naquela região em frente à casa do José Simões e espalhados pelo Córrego da Penha que no seu final dá acesso a Mantena “hoje MG”, que era puro mato, e toda a população em polvorosa sob a ameaça de os mineiros iam invadir Barra de São Francisco ES a qualquer momento.

Não existia nenhum meio de comunicação e as notícias chegavam por intermédio do precário rádio ou dos militares que, apreensivos, tentavam manter calma a população, mas pedindo cautela. Barra de São Francisco vivia cheia de Policiais em estado de alerta e prontos para o combate. A cada dia chegava a notícia de que os mineiros iam invadir naquele dia.

Além desse fato da possível invasão, existem os heróis anônimos que mantiveram nossas fronteiras que foram os fiscais estaduais que ficavam nos Postos da Secretaria da Fazenda do Espírito Santo, isolados no meio do Mato e os Policiais que davam cobertura para esses Fiscais, em situação extremamente precárias e isoladas no meio do nada, para inibir a ocupação mineira.

Mesmo Assim, no acordo da divisa, o Espírito Santo perdeu uma faixa do seu território, e precisamos sair de Barra de São Francisco, que é Espírito Santo, passar por Mantena, que é Minas Gerais, para chegar novamente no Espírito Santo – Mantenopolis, que pertence ao Espírito Santo.

Mas, segundo se tem conhecimento, Minas Gerais queria mesmo era tomar toda a região abaixo do Rio Doce, até a divisa com a Bahia, para chegar ao Mar e construir um porto para exportar todo o Minério que é obrigada a exportar, de há muitos anos, pelo Porto de Tubarão, em Jardim Camburi – Vitória -ES, poluindo absurdamente aquele bairro e Jardim da Penha.

A intenção dos mineiros era chegar a Conceição da Barra, e Pancas, Alto Rio Novo, Barra de São Francisco, Água Doce, Ecoporanga, Nova Venécia, Pinheiros, Boa Esperança, Mucurici, São Mateus, Pedro Canário e Conceição da Barra passariam a pertencer a Minas Gerais. A porta de entrada seria Barra de São Francisco.

Deram azar que escolheram a cidade errada, de um povo corajoso, bravo, ordeiro e que não queria pertencer a Minas Gerais. Por isso a cidade ganhou o codinome de “Sentinela Capixaba” e o hino da nossa querida cidade começa assim: ” Salve Barra de São Francisco, a Sentinela Capixaba, o valor moral dessa gente é riqueza que não se acaba…..”. Minha família, eu criança e até a adolescência, vivemos esse tempo de incerteza e a população toda armada e disposta a se defender até a morte.

FACE – Edivaldo Machado Lima