Idosa de 63 anos morre depois de ser atropelada na BR-101, em São Mateus, ES

312

Uma idosa, de 63 anos, morreu depois de ser atropelada na BR-101, no bairro Paulista, em São Mateus, na região Norte do Espírito Santo, nesta terça-feira (29). Moradores do bairro cobram medidas para aumentar a segurança na rodovia. A Eco-101 diz que fez melhorias na pista.

A idosa Maria Benedito Pinto estava atravessando a rodovia quando foi atingida por um veículo. No local não tem faixa de pedestre.

A motorista do veículo não quis falar sobre o acidente. Para a Polícia Rodoviária Federal (PRF-ES), a condutora contou que a mulher atravessou a pista na frente do carro e ela não teve tempo de reagir.

“Ela disse que seguia sentido São Mateus e que a mulher veio atravessando sem olhar. Ela disse que tinha uma carreta na frente dela, e, depois disso, a pessoa passou e ela não conseguiu impedir o acidente”, comentou o agente Otaviano Campagnaro, da Polícia Rodoviária Federal.

Segurança

O local onde aconteceu o acidente fica no bairro Paulista. De acordo com os moradores, o trecho não tem faixas de pedestre e nem lombadas, que ajudariam na redução da velocidade dos veículos. A comunidade informou que, há sete meses, um idoso também morreu atropelado no trecho.

Outra preocupação dos moradores é com a passagem de crianças pela rodovia no horário escolar. A escola fica ao lado da BR-101.

“A maior preocupação é que os moradores desse lado pedem pelo menos um quebra-molas. Não tem faixa de pedestre e tem muito fluxo de criança neste trecho”, contou a moradora Irlene Correia.

ECO-101

A Eco101 informou, por nota, que já realizou melhorias neste trecho, dentre as quais a implantação de linha de estímulo para redução de velocidade e sinalização vertical, indicando que o trecho é uma área urbana.

Com relação à implantação de radares, passarelas e faixas de pedestres, a Eco-101 informou que não há previsão contratual de implantação destes dispositivos para este trecho. No entanto, a comunidade poderá pleitear junto à agência reguladora a viabilidade técnica para inclusão no contrato de concessão.

Fonte: g1