Diretor do Detran suspende licitações após reunião com a CPI da Máfia dos Guinchos

180

Em seu depoimento para a Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga irregularidades na remoção de veículos no Estado, conhecida como CPI do Guincho, na manhã desta segunda feira, 22/10/2018, o diretor geral do Detran-ES, Romeu Scheibe Neto (foto) declarou que irá revogar o processo licitatório para novos pátios de guinchos em andamento no órgão.

“Não queremos um Detran que seja um caos como no passado. Me comprometo aqui com esta comissão a não dar andamento a esta licitação. É a primeira vez que tomo conhecimento dessas denúncias e garanto aos senhores que o Detran e esta comissão estão caminhando na mesma direção”, declarou Scheibe Neto logo após ser apresentado às denúncias da CPI de que empresas estariam fraudando o processo de escolha para novos prestadores de serviços dentro do Estado.

De acordo com o apresentado pelo deputado Enivaldo dos Anjos (PSD), presidente da CPI, as empresas Rebocar e Avocat, estariam agindo em conluio para burlar o sistema de licitação imposto pelo Detran. Durante o processo de pregão eletrônico, os pátios de remoção para atender as cidades de Cariacica, Vila Velha e Guarapari receberam ofertas excessivamente baixas da empresa Rebocar logo após a Avocat fazer sua proposta. Com a vitória na disputa pelo serviço, a empresa Rebocar se declarava incapacitada de atuar, passando a responsabilidade dos pátios para a segunda colocada, empresa Avocat.

Além da atuação irregular no pregão, foi denunciada a proximidade dos donos da empresa Avocat com a já investigada pela CPI, Central Park, que atuou em Cariacica durante os primeiros escândalos envolvendo a Máfia do Guincho. Segundo as denúncias, a Avocat é de hoje de propriedade do filho dos donos da Central Park, o que tornaria inviável a participação no processo licitatório.

“A legislação abre espaço para irregularidades como estas acontecerem ao não exigir a documentação necessária para a prestação do serviço para a participação no processo licitatório. As empresas se sentem livres para fazer este tipo de conluio justamente por não ser exigido nada delas no ato da inscrição”, comentou Enivaldo dos Anjos ao receber a declaração de suspensão da licitação por parte do diretor geral do Detran.

A CPI agora quer ouvir os proprietários das empresas de guincho escritas no processo de licitação de pátios no Estado e esclarecer as denúncias feitas de que haveriam irregularidades praticadas na escolha prestadores de serviço ao Estado. Além disso, o presidente da comissão prometeu levar o caso ao Tribunal de Contas do Estado, TCE-ES e ao Ministério Público Estadual.

“Vou protocolar essa denúncia aos órgãos fiscalizadores e fica aqui o alerta quanto à atuação dessas empresas no Estado. Não existe outro interesse do proprietário da empresa que não o lucro e neste caso a população fica refém do que querem os donos das empresas.”, disse o deputado, que completou: “O sujeito não vai entrar em uma licitação como esta para ficar com dois ou três carros no pátio durante um mês. Com certeza ele vai convocar os maus agentes que existem em qualquer corporação para atuar em seu favor e contra a população”.

A próxima reunião da CPI dos Guinchos acontece na próxima segunda-feira (29), a partir das 11h, no plenário Judith de Leão Castelo e é transmitida ao vivo pela TV Assembleia.

 

 

COMPARTILHAR