Barragem de Barra de São Francisco foi denominada de Balneário Everaldo Bianquini, por indicação de Enivaldo

3122
Everaldo Bianquini em destaque

Por indicação do deputado estadual Enivaldo dos Anjos (PSD), líder do governo na Assembleia Legislativa, a barragem construída no Córrego Itaúnas, no distrito de Cachoeirinha de Itaúnas, interior de Barra de São Francisco, foi denominada de Balneário Everaldo Bianquini, conforme LEI Nº 847/2019.

A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º·O Anexo III da Lei nº 10.975, de 14 de janeiro de 2019, passa a vigorar acrescido de item com a seguinte redação: “Denomina Balneário Everaldo Bianquini a Barragem construída no distrito de Cachoeirinha de Itaúnas, no município de Barra de São Francisco/ES.

Art. 2º·Este Projeto de Lei entra em vigor na data de sua publicação.” SALA DAS SESSÕES, 08 de outubro de 2019.

Leiam na integra a justificativa do deputado estadual ENIVALDO DOS ANJOS:

Enivaldo dos Anjos é o autor da indicação

Everaldo Bianquini Nasceu em 15-08-1963, uma quinta-feira. Nascido em São Sebastião da Vala, município de Aimorés, no dia 15 de Agosto de 1963, Everaldo Bianquini veio ao mundo em uma quinta-feira e já aos 20 dias de nascido foi morar com a família em Ecoporanga, noroeste do Espírito Santo.

Por lá ficou até os sete anos, quando novamente a família se mudou. Desta vez, foram para Barra de São Francisco, onde se instalaram e permanecem até os dias de hoje (Sem a intenção de ir embora).

Filho da saudosa Irene de Souza Bianquini e de João Bianquini, Everaldo estudou até os 15 anos de idade, quando deixou por vontade própria a vida na cidade para contribuir com seu pai na lida da fazenda.

Por ter se desenvolvido fisicamente muito rápido, Everaldo não se sentia confortável perto dos outros garotos da sua idade, todos muito pequenos perto dele. Ficava mais a vontade junto dos cavalos e do rebanho da fazenda, de onde aprendeu a tirar seu sustento desde cedo.

Na fazenda Everaldo ergueu sua vida como quis: cercado de amigos, de trabalho e simplicidade. O garoto simples, que um dia deixou de estudar na cidade por gostar mais de ordenhar vacas do que escrever com canetas buscou sua felicidade como poucos têm coragem: se casou aos 19 anos com Janice Vitorino Amâncio Bianquini e foram pais de seu primeiro filho já no mesmo ano.

Everaldo foi um pai presente e cuidadoso com seus três filhos: Tiago Vitorino Bianquini, Lucas Vitorino Bianquini e Tamires Vitorino Bianquini. Para garantir a boa educação dos filhos – que tiveram os primeiros passos na escola com a própria mãe, professora em uma escola rural dentro da sua propriedade – Everaldo foi morar na cidade mesmo mantendo o trabalho diário, ao lado do pai, na fazenda da família.

Aos 41 anos de idade viu crescer sua família com o nascimento do primeiro de seus cinco netos. Uma vida simples, ao lado da família, trabalhando com o que gosta e rodeado de amigos verdadeiros: Everaldo tinha acertado em suas escolhas.

Aos 53 anos, nosso homenageado veio a ter um câncer de pulmão mesmo nunca tendo fumado ou bebido na vida. Seu sepultamento, no dia 2 de julho de 2017, foi marcado pela comoção de amigos e vizinhos, que lamentaram a perda de um amigo que estava sempre pronto para ajudar.

Era um homem de muitas amizades. Mesmo a morte não conseguiu levar de Everaldo a lembrança de dias bons e felizes, ao lado da sua família e de sua fazenda. Cuidar da fazenda, de bois, dos afazeres diários era um trabalho tão prazeroso para ele que competiam com o lazer que tinha: cuidar de cavalos. Teve uma vida humilde, mas fundamental em tudo que gostava de fazer.

Em sua lembrança, senhor João Bianquini, pai de Everaldo concedeu ao governo do Estado a parte do terreno da família que seria destinada à herança do amado filho. Os quatro hectares onde hoje fica a recém construída barragem de Barra de São Francisco foram concedidos com muito amor e dedicação de toda a família Bianquini como forma de tornar a lembrança de Everaldo sempre presente e repleta de vida.

“Onde estiver, ao lado do Pai, tenho certeza que ele está muito feliz de ver aquela barragem construída ali” (Renato Bianquini, irmão de Everaldo).