Arma dispara e jovem mata primo durante caçada em Rio Bananal

707
Geyniff foi atingido com um tiro nas costas

Um jovem de 26 anos morreu após ser atingido pelo primo durante uma caçada, na madrugada deste sábado (04), na zona rural de Rio Bananal, região Norte do Estado. A vítima é Geyniff Mattedi, que foi atingido nas costas após o primo dele, Gleicimar Câmara, de 23 anos, tropeçar com uma espingarda na mão e atirar acidentalmente.

Eles haviam saído para caçar com mais dois amigos na noite de sexta-feira (03). Como não encontraram nenhum animal para abater, decidiram voltar para suas casas, por volta da meia-noite. Eles começaram a recolher os cachorros que levaram para ajudar na caçada e já estavam no carro quando alguns cães começaram a latir, indicando que havia um bicho no caminho.

Geyniff resolveu ir atrás dos cachorros e chamou Gleicimar para acompanhá-lo. Os outros dois aguardaram no carro. Os primos viram os cães latindo ao redor de um buraco de tatu. A vítima deixou uma espingarda encostada em uma árvore e tentou puxar o animal. Em depoimento, o suspeito contou que o primo se agachou, conseguiu segurar o tatu e pediu a arma.

Gleicimar pegou a espingarda e, quando ia entregar para Geyniff, teria tropeçado e disparado a arma acidentalmente. O primo foi atingido pelo tiro nas costas. O acusado disse em depoimento que entrou em desespero, pediu socorro para os dois amigos que ficaram no carro, mas o local onde estavam ficava em uma distância de 300 metros de mata de difícil acesso.

De acordo com a Polícia Civil (PC), quando os dois amigos conseguiram chegar ao local em que a vítima foi baleada, encontraram Gleicimar tentando reanimar o primo, mas Geyniff já respirava com dificuldade e não conseguia mais falar. Eles pegaram o jovem baleado e voltaram para o carro, mas se perderam na mata e demoraram quase uma hora para chegar no veículo. Eles seguiram para um hospital de Rio Bananal, mas Geyniff já estava morto. O corpo da vítima foi encaminhado para o Serviço Médico Legal (SML) de Linhares.

Após o depoimento na 16ª Delegacia Regional de Linhares para o delegado de plantão, Romel Pio Júnior, Gleicimar foi autuado por homicídio culposo (quando não há a intenção de matar) e porte ilegal de arma de fogo. Por ser um crime com previsão de mais de quatro anos de detenção, o delegado não pode arbitrar fiança. O suspeito foi preso na delegacia, de onde foi transferido para a Penitenciária Regional de Linhares. A Polícia Civil informou que Gleicimar chorou bastante durante seu depoimento.

Já os outros dois homens foram ouvidos e liberados, mas será aberta uma investigação e eles podem ser autuados por porte ilegal de arma de fogo e caça. Apenas uma espingarda foi encontrada pela polícia, que é a arma que disparou contra a vítima.

Fonte: Gazeta Online

COMPARTILHAR